Na noite de quarta-feira (08/02), aconteceu a reunião plenária ordinária do Conselho Estadual de Esporte de Santa Catarina. 

Nessa sessão do CED, presidido pelo Dr. Renan Pirath, foram empossados nove auditores do Tribunal de Justiça Desportiva para o quadriênio 2023-2026. São eles:  indicados pela OAB/SC, Rafael Bozzano e Tiago Meurer da Silva; indicada pelos atletas, Lyza Anzanello de Azevedo;  indicados pelas entidades de prática desportiva, Rodrigo de Abreu, Tiago Schoroeder Russi e Enio Francisco Demoly Neto; indicado pelos árbitros, Aldo Abraão Massih Junior; indicado s pela entidade de administração do desporto público estadual, Felipe Branco Bogdan e Michel Scaff Junior; indicado pelas entidades de administração do desporto de direito privado, Robson Luiz Vieira. 

Para o auditor empossado Aldo Massih, o Tribunal de Justiça Desportiva é um importante órgão que atua junto ao CED e à Fesporte com o objetivo de julgar as eventuais infrações disciplinares em todo o âmbito do desporto catarinense. Esse colegiado interage em prol da moralidade e da disciplina no desporto. 

"É uma emoção fazer parte desse grupo de auditores, sempre à disposição para que os eventos ocorram de forma tranquila e os julgamentos, que esperamos que sejam poucos, ocorram da forma mais célere e efetiva possível", enalteceu Massih. Conforme o regimento, os auditores escolheram o presidente que será Rafael Bozzano. 

Bozzano aproveito para agradecer a Dra. Cláudia Prudêncio, presidente da OAB/SC, do Presidente do CED, Dr. Renan Pirath e o presidente antecessor, Dr. Vinícius Bion,  o brilhante trabalho e que com muita maestria levou esse tribunal a cumprir com suas funções; e aos auditores que o nomearam para presidir o TJD a partir dessa data. 

"É uma honra para mim fazer parte do tribunal pleno do TJD e toda essa estrutura organizada e orquestrada pela Fesporte. Como ex atleta de Moleque Bom de Bola, Joguinhos Abertos e um apaixonado pelo esporte é uma alegria imensa ao ser nomeado pelos meus colegas auditores como presidente", ressaltou Bozzano. 

Na segunda parte da sessão do CED, ocorrida na quinta (09/02), o Boxe foi oficializado como modalidade oficial dos Jogos Abertos de Santa Catarina a partir de 2023. O parecer favorável foi do relator, Luciano Goulart, sendo aprovado pelo Conselho Estadual de Esporte por unanimidade.  

A organização como um todo, o cumprimento dos horários, o engajamento do público, um número significativo de atletas e municípios, foram alguns dos aspectos primordiais para o parecer positivo de Goulart. 

Para ele, "O Boxe está realizando competições de alto nível com atletas de renome nacional e internacional. Nos Jasc de 2022 foram 75 atletas de 18 municípios com uma técnica e organização invejáveis", destacou Goulart. 

Texto: Delamare de Oliveira Filho e Marina de Melo 

 

Nessa quarta, 14, integrantes da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte): Kelvin Soares, presidente; Cassiano Nunes Moreira, assessor de gabinete; Aline Monique Bourdt de Souza, gerente de logística de eventos; se reuniram com integrantes da empresa Rupp Engenharia: Eduardo Rupp e Guilherme Nunes, engenheiros; e Giulia Picinini, arquiteta. Essa é a empresa responsável pela elaboração do projeto de reforma do Ginásio Ivan Rodrigues, em Joinville. Também participou, James Veiga, supervisor administrativo e marketing, do Jec Krona Futsal.

O objetivo do encontro foi à realização de uma vistoria no Ginásio e articularem alguns aspectos para a elaboração do projeto de reforma do referido local. Além dos profissionais envolvidos supracitados, havia no local, topógrafos, fazendo o reconhecimento da área que será realizado o projeto, realizando medições e verificando aspectos topográficos do terreno. 

Topográfos realizam medições no terreno para elaboração do projeto de reforma                Foto: Delamare de Oliveira Filho (Fesporte)

 

James Veiga, supervisor administrativo e marketing, do Jec Krona Futsal, equipe de Joinville que participa da Liga Nacional da Modalidade, ressaltou que essa reforma é de fundamental importância e tem uma relevância muito significativa não somente para o esporte de Joinville, mas para o esporte catarinense. 

“É muito importante termos mais um espaço esportivo, mais uma casa esportiva, para o município de Joinville e que tenhamos um olhar para o Jec Krona Futsal que vem levando o nome da cidade e do estado de Santa Catarina ao maior patamar possível”. 

 

O Presidente da Fesporte, Kelvin Soares, participou do Fórum de Secretários de Estado, na área esportiva, onde foram analisadas as proposições que estão sendo levadas ao Governo Federal, durante o governo de transição.

O documento foi pauta de uma outra reunião realizada na semana passada com os a Associação das Federações Esportivas, Tribunal de Justiça Esportiva, Conselho de Educação Física (CREF/SC) e alguns gestores do esporte.

As sugestões foram aprovadas pelo Fórum Nacional e servirão de base para o documento que será encaminhado ao Governo de Transição. Ele traz assuntos relevantes para o desenvolvimento esportivo no Brasil nos seguintes temas:’ Estrutural, desporto educacional, desporto de rendimento, desporto de participação, saúde e bem estar.

Kelvin foi convidado para participar de uma reunirão com o Governo de transição, que deve ocorrer na próxima semana, quando o documento será apresentado e defendido pelo Fórum de Gestores Estaduais de Esporte. “Me sinto muito honrado em representar o Fórum de Secretários Estadual de Esporte e poder levar pautas de extrema relevância para o desenvolvimento do Desporto no Brasil”, destacou Kelvin.

A primeira reunião com a equipe que faz a transição de Governo Federal, foi realizada nessa segunda 5.

Texto escrito por André Lino (Gerente da Ascom/Fesporte). 

 

 

 

Foi realizado nesta segunda-feira, 28, o ato da assinatura do contrato com a empresa vencedora da licitação e entrega da ordem de serviço para a criação do projeto da reforma e da ampliação do Ginásio Ivan Rodrigues, em Joinville. 

O Ginásio já foi palco para o Festival de Dança, grandes jogos de futsal e basquete de ligas nacionais, bem como os jogos abertos e diversas competições estaduais e nacionais. 

Por intermédio do deputado estadual Fernando Krelling, foi encaminhado ao Governo do Estado o pedido de recursos que chegam aos R$ 15 milhões, por meio de emenda ao orçamento. 

Para o presidente da Fesporte, Kelvin Soares, esse é um momento bastante importante não somente para o município de Joinville, mas para todo o Estado de Santa Catarina. Soares enfatizou o Programa SC Mais Esportes, criado para o desenvolvimento das estruturas esportivas do estado. 

“Essa reforma e ampliação do Ginásio Ivan Rodrigues é uma obra extremamente marcante para a comunidade joinvilense. Estar nesse momento, assinando esse contrato, mostra nossa responsabilidade e compromisso com o esporte catarinense”, destacou. 

Já o deputado estadual, Fernando Krelling, autor do pedido de recursos para tal reforma, enfatiza que o Ginásio Ivan Rodrigues é um espaço histórico, tanto em questões esportivas, quanto culturais em Santa Catarina. 

“O ato da assinatura para a criação do projeto é um avanço muito significativo. “O primeiro passo foi dado. São 15 milhões de reais nesse primeiro momento e posteriormente a execução da obra e devolver esse espaço para Joinville e para o Estado de Santa Catarina”, reforçou Krelling.  

A partir de junho deste ano, a administração do Ginásio Ivan Rodrigues para a Fesporte, dentre as novas atribuições que a Fundação vem recebendo do Governo do Estado de Santa Catarina.

A expectativa de Fesporte é que nesse espaço, sejam realizados projetos sociais e comunitário, com o intuito de promover atividades de lazer e a iniciação esportiva.

 

A delegação de Santa Catarina se sagrou vice-campeã das Paralimpíadas Escolares 2022 realizada em São Paulo. O anúncio foi feito pelo presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Mizael Conrado, na cerimônia de encerramento do maior evento esportivo do mundo para jovens com idade escolar, na noite desta sexta-feira, 25, no Centro de Treinamento Paralímpico, na capital paulista. 

São Paulo foi o grande campeão com 594 pontos, seguido por Santa Catarina com 308 e Pará com 304. A delegação de Santa Catarina, com mais de 150 integrantes, incluindo atletas, treinadores, guias, staffs, tapers, fisoterapeuta e assessoria de imprensa é a maior da história. Ao longo da competição conquistou 154 medalhas, sendo 83 de ouro, 33 de prata e 38 de bronze.

 Willian Scheffer, chefe da delegação de Santa Catarina recebe o troféu de vice-campeão                   Foto: Divulgação OCPB

Tivemos vários atletas que se destacaram nessa edição da competição. Entre eles, Nicolas Coelho Fonseca que conquistou 5 medalhas de ouro na natação e Gabriely Hostin, também da natação, que conquistou 4 medalhas de ouro. 

Para o treinador de atletismo de Santa Catarina, Elizandro Braz, “essa conquista é fruto do trabalho do dia a dia de muitos técnicos/professores que reflete o compromisso e dedicação. O resultado de hoje nos mostra que estamos no caminho certo e a cada competição o paradesporto catarinense cresce mais”.

A classificação geral das Paralimpíadas Escolares 2022, de acordo com o regulamento oficial, foi definida pela soma das colocações dos estados obtidas em cada uma das modalidades, que obedece a uma pontuação pré-estabelecida para cada posição na tabela.

Além das premiações para os três primeiros colocados, outros dois troféus foram entregues na cerimônia. O secretário estadual de Esportes da Paraíba, Zezinho Botafogo, foi homenageado como o "Amigo do Esporte Paralímpico" e o estado do Ceará recebeu o prêmio "Confraternização". 

Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, se mostrou bastante safisfeito com essa edição do evento. “É motivo de muita alegria ver crianças e jovens de todo o país competindo, com qualidade e em um nível técnico altíssimo. Tivemos um número recorde de participantes e de modalidades, além de três fases regionais [Brasília, Natal e São Paulo], o que qualificou ainda mais a disputa nacional", destacou. 

A edição deste ano foi a maior da história, com cerca de 1300 atletas oriundos de 25 estados e do Distrito Federal - a exceção é o Piauí, e contou com 14 modalidades: atletismo, badminton, basquete em cadeira de rodas (formato 3x3), bocha, futebol de cegos, futebol PC, goalball, halterofilismo, judô, natação, taekwondo, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas e vôlei sentado. 

Os halterofilistas estrearam no evento e 63 atletas com Síndrome de Down estiveram presentes em disputas de atletismo, natação e badminton. 

Santa Catarina teve participantes em 10 modalidades, com exceção do parataekwondo, halterofilismo e basquete em cadeira de rodas e futebol de 5. 

 

Mimadinha em casa, durona no Judô. Esse foi o combinado entre a pequena Amelí e seu pai Carlos Eduardo Teixeira, o grande incentivador para que ela treinasse Judô. Em sua primeira competução, Amelí Teixeira conquista a medalha de ouro nas Paralimpíadas Escolares 2022 no Judô. 

A menina, Amelí Teixeira, 12 anos, natural de Lontras, nasceu prematuramente com 6 meses e por conta do excesso de oxigênio desenvolveu a doença denominada retinopatia da prematuridade que levou Amelí a ter deficiência visual. 

Amelí iniciou no judô em 2021 com o professor Alexandre Duarte, após o pai incentivá-la a praticar tal modalidade. Para ele, um ex judoca, era a possibilidade de Amelí superar alguns desafios do cotidiano. 

É a primeira competição nacional de Amelí e para a mãe, Priscila Aparecida Theis, tudo isso tem ajudado a filha a ter mais autonomia e ser mais forte na vida. “O esporte é muito importante para ela saber lidar com os obstáculos da vida. O judô é um estímulo para o físico e para a mente”, afirma Theis. 

E em seguida afirmou que, “toda essa logística está sendo uma experiência incrível para Amelí. Conhecer as pessoas que ela conheceu aqui e ter a mesma experiência de vida parecida com a dela, é muito além do esporte. Eles se sentem valorizados como indivíduos e como cidadãos”, finalizou. 

Equipe de Judô de Santa Catarina - Amelí, o treinador Alexandre Duarte e Heloisa.        Foto: Delamare de Oliveira Filho (Ascom/Fesporte)

 

Já o treinador, o professor Alexandre Duarte, destaca a oportunidade que as crianças com deficiência visual têm ao praticar esporte. Essa inclusão faz com que tenhamos adultos diferenciados e independentes.

“Elas se sentem úteis e importantes. Observem Amelí. Para ela foi uma quebra de paradigma. A menina delicadinha, praticando judô, um esporte de contato. Ela achou o espaço dela e vem conquistando os seus resultados. É muito  gratificante oportunizar esses momentos para Ameli e para outras crianças”.

Um dos momentos mais emocionantes foi no momento da entrega da medalha de ouro. Ao receber a medalha, Amelí notou que havia algo escrito em Braille. 

Ao se deparar com tal surpresa, ela tocou o objeto conquistado, fez a leitura em Braille, suspirou forte e exclamou com entusiasmo, “ouro 2022. Que legal eu ganhei ouro”. 

Amelí com sua medalha de ouro nas Paralimpíadas Escolares         Foto: Delamare de Oliveira Filho (Ascom/Fesporte) 

 

Com a linguagem do Braille, Amelí pôde ter a sensação de ser a medalha de ouro no judô, categoria até 41kg nas Paralimpíadas Escolares 2022. Como sua mãe, Priscila, explanou dias antes ao conversarmos com ela e a filha sobre a competição, “o deficiente visual só enxerga aquilo que as mãos tocam”.

Pagina 19 de 21