Segunda, 21 Setembro 2020 17:44

Renatinho: Personagem do Moleque Bom de Bola 2019 Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Renatho, baixinho habilidoso do Colégio Recriarte, de Camboriú Renatho, baixinho habilidoso do Colégio Recriarte, de Camboriú Foto Arquivo: Heron Queiroz

Em novembro de 2019 a etapa estadual da 28ª edição do Campeonato Catarinense Escolar de Futebol, o Moleque Bom de Bola, foi disputada em Antônio Carlos. Apesar de ficar na competição em sexto lugar pelo Colégio Recriate, de Camboriú, o pequenino José Renatho da Silva Barros, o Renatinho, com seus 11 anos de idade e 1,35m de altura, foi um dos grandes personagens do torneio. Vamos relembrar esta matéria como forma de sempre valorizar o verdadeiro artista do espetáculo: o atleta.

Renatho: um gigante na bola e nos sonhos

Na história do futebol, muitos baixinhos tiveram carreira de sucesso, a exemplo de Romário, cujo carinhoso apelido remetia-se à sua baixa estatura em contraste com o grande futebol que apresentava. E no Campeonato Catarinense Escolar de Futebol, o Moleque Bom de Bola, não poderia ser diferente, já que a competição envolve crianças de 11 a 14 anos. E nesta 28ª edição do evento, falar de baixinho bom de bola é remeter-se ao paraibano de Cabedeu José Renatho da Silva Barros. Com seus 11 anos de idade e 1,35m de altura, Renatinho, como é chamado pelos amigos. É capaz de deixar boquiabertos os adversários menos crédulos.

Renatinho é daqueles jogadores que incendeiam o setor do campo onde atuam. Lateral direito com fácil apoio no ataque, ele traz ao presente a imagem e o estilo dos antigos pontas. Há sete anos morando em Camboriú e três estudando no Colégio Recriarte, Renatinho vem ganhando espaço no time entre os mais velhos, depois de conquistar o vice-campeonato da Ibercup, evento internacional de futebol infantil, que aconteceu em janeiro deste ano, em Porto Alegre.

Renatho se diz feliz em participar pela primeira vez de um evento que já revelou grandes nomes, como Felipe Luís, André Santos, Eduardo Costa, Marquinhos Santos e Ketlen Wiggers. “Se eu puder, virei sempre. É uma oportunidade que não posso perder”, disse o jovem jogador, confessando-se um fominha de bola, não por prendê-la demais, até porque constantemente tabela com os companheiros, mas porque treina e joga todos os dias, além de praticar natação duas vezes por semana.

O jovem lateral conta que sente orgulho por contar com o apoio da família, que o acompanha em quase todos os jogos. Seu maior sonho é chegar ao profissional por qualquer clube: “mas, se pudesse escolher, escolheria o Real Madrid”, disse ele.

Texto: Heron Queiroz Ascom

 

Lido 122 vezes Última modificação em Segunda, 21 Setembro 2020 18:00

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.