Heron Queiroz

Próximo a embarcarem para as Paralimpíadas Escolares, que acontecem em São Paulo, no Centro de Treinamento Paralímpico, de 18 a 23 de novembro, os atletas de natação paradesportiva Issac Lourenço de Jesus e Catarina Martins Machado, de Florianópolis, e dirigentes da Fesporte estiveram na Casa d’Agronômica, na manhã desta quarta-feira (13), para entrega de um kit do novo uniforme da delegação catarinense ao governador Carlos Moisés.

Os dois nadadores, expectativa de medalhas para Santa Catarina, integram a delegação, composta de 161 pessoas, dentre os quais 112 são atletas. Esses números confirmam a crescente participação de Santa Catarina no evento. Na edição de 2018, já se considerava um recorde de participação a composição da delegação por 157 pessoas, com 92 atletas. Esse novo recorde é atribuído a modalidade de badminton paradesportivo, da qual, pela primeira vez, tem a participação barriga-verde.

Além do badminton, Santa Catarina estará competindo também no atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha paralímpica, futebol de sete, golbol, judô, natação, tênis em cadeira de rodas, tênis de mesa e vôlei sentado. Apenas duas modalidades não têm a presença dos catarinenses: handebol em cadeira de rodas e futebol de cinco.

Santa Catarina, atual vice-campeã da competição, tem-se mostrado uma das principais forças do paradesporto escolar brasileiro. A primeira edição do evento aconteceu em 2006, ainda com a denominação Paralímpicos do Futuro, da qual Santa Catarina foi campeã em 2007. A partir de 2009, passou a se chamar Paralimpíadas Escolares. Em 2014, os catarinenses voltaram a erguer o maior troféu da competição. Em 2016, com a inauguração do Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, a capital paulista passou a ser sede permanente do evento.

Apesar de contar com apenas dois títulos na história da competição, Santa Catarina tem ficado, em geral, entre os três primeiros colocados, honrando o título de estado pioneiro na gestão do paradesporto. A delegação catarinense recebe todo o apoio do Governo do Estado, por intermédio da Fesporte

A delegação catarinense embarca na manhã de segunda-feira (18) para São Paulo, onde participará de mais uma edição do maior evento de paradesporto escolar do mundo, promovido pelo Comitê Paralímpico Brasileiro. As Paralimpíadas Escolares envolvem cerca de mil estudantes com deficiência física, intelectual ou visual, entre 12 a 17 anos de idade, de todo o país. 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Blumenau é campeão geral dos 59os Jogos Abertos, nas cidades de Timbó, Pomerode e Indaial. E agora soma 42 conquistas no maior evento poliesportivo do Sul do Brasil. No domingo festivo do encerramento dos Jasc-2019, o município mais vezes campeão encerrou sua participação com mais um troféu e uma medalha de ouro. Venceu Brusque, na decisão do basquete masculino. Na classificação geral, Blumenau somou 228 pontos, Itajaí foi segundo colocado, com 170, São José terceiro, com 138, Florianópolis quarto, com 108, e Chapecó, com 106, encerrou em quinto.

“Estou bastante feliz com o desempenho das nossas modalidades, é um momento de grande alegria, resultados expressivos, vários troféus. É a nossa delegação honrando a bandeira, a camisa de Blumenau, com muito orgulho, muita garra e felicidade, levando o nosso município para todo o estado, com muito carinho”, avaliou Egídio Beckhauser, diretor executivo da Secretaria do Esporte de Blumenau.

No domingo de comemorações pelo título geral, o basquete masculino de Blumenau entrou em quadra para fazer mais uma final. Na decisão, venceu Brusque por 85 a 58, e levou mais um ouro para casa. Com o resultado, ampliou a performance e o rendimento na campanha dos Jogos Abertos de 2019.

Egídio Beckhauser tem a receita do sucesso do município: “Os resultados vieram com a dedicação dos nossos técnicos, dos dirigentes, de toda a comunidade blumenauense, do poder público, do investimento da iniciativa privada e das parcerias”.

O presidente da Fesporte, Rui Godinho da Mota, destacou a organização por parte dos municípios-sede e o elevado nível das competições. "Foi fantãstico. A abertura já foi fascinante. Percebi o altíssimo nível de competição. A ginástica rítmica, por exemplo, tinha sete atletas de seleção. Vamos batalhar para transformar os Jasc no maior evento esportivo do país e uma referência de organização esportiva", destacou Godinho.

Os resultados e programação dos Jogos Abertos de Santa Catarina podem ser acompanhados pelos boletins publicados diariamente no site oficial da Fesporte (clique aqui para acessar). Os Jasc são promovidos pelo Governo de Santa Catarina – @governosc – e realizados por intermédio da Fesporte, em parceria com os Municípios de Indaial, Timbó e Pomerode.

Texto: Olavo Moraes

 

Confira os campeões por modalidade

Atletismo feminino - São José

Atletismo masculino - São José

Basquetebol feminino - Blumenau

Basquetebol masculino - Blumenau

Bocha feminina - São Lourenço do Oeste

Bocha masculina - Chapecó

Bolão 16 feminino - Blumenau

Bolão 16 masculino - Itajaí

Bolão 23 feminino - Blumenau

Bolão 23 masculino - Timbó

Caratê feminino - Tubarão

Caratê masculino - Tubarão

Ciclismo feminino - Florianópolis

Ciclismo masculino - Rio do Sul

Futebol feminino - Blumenau

Futsal feminino - Chapecó

Futsal masculino - Blumenau

Ginástica artística feminina - Itajaí

Ginástica artística masculina - Itajaí

Ginástica rítmica - Florianópolis

Handebol feminino - Concórdia

Handebol masculino - Itajaí

Judô feminino - São José

Judô masculino - Itajaí

Natação feminina - Joinville

Natação masculina - Itajaí

Punhobol masculino - Florianópolis

Remo - Florianópolis 

Taekwondo feminino - Itajaí

Taekwondo masculino - São José

Tênis masculino - Itajaí

Tênis de mesa feminino - Joinville

Tênis de mesa masculino - Concórdia

Tiro armas curtas - Rio do Sul

Tiro armas longas - Timbó

Tiro ao prato - Tubarão

Triatlo feminino - Itajaí

Triatlo masculino - Itajaí

Vôlei de praia feminino - Balneário Camboriú

Vôlei de praia masculino - São José

Voleibol feminino - Chapecó

Voleibol masculino - Blumenau

Xadrez feminino - Blumenau

Xadrez masculino - Joaçaba

Modalidades que não pontuam

Jiu-jitsu feminino (provisória) - Balneário Camboriú

Jiu-jitsu masculino (provisória) - Florianópolis

Muaythai feminino (apresentação) - Chapecó

Muaythai masculino (apresentação) - Criciúma

Boxe masculino (exibição) - São José

 

Itajaí dominou o triatlo dos 59os Jogos Abertos de Santa Catarina. Conquistou os dois troféus e as duas medalhas de ouro, e de quebra, mais uma de bronze. Vitórias individuais e por equipe. Diogo Sclebin foi o mais rápido entre os homens, com 51min36seg27, e Bruna Mahn a mais veloz entre as mulheres, 1min01seg58. 

O Parque de Exposição Henry Paul, em Timbó, foi o cenário da disputa da modalidade. Foram 750 metros natação, no Rio Benedito, 20 quilômetros de ciclismo, nas ruas da cidade, e cinco quilômetros em circuito no Parque de Exposição Henry Paul. 

“A prova foi bem interessante, em formato diferente. Nadamos no rio, a favor da correnteza. Uma água muito escura, bem diferente do que estamos acostumados. Geralmente é no mar. O ciclismo foram quatro voltas, totalizando 20 quilômetros”, destacou o campeão Diogo Sclebin, de 37 anos. 

O percurso aquático da prova de triatlo foi feito em 750 metros do Rio Benedito                                                                            Foto: Maurício Vieira/Secom

Mais do que o domínio nesta edição dos Jasc, Itajaí ampliou suas conquistas na competição. No masculino, foi pentacampeã e chegou a 13 títulos, em 17 disputados. No feminino, alcançou o hexa, com vitória em 10 das 14 vezes em que o triatlo esteve presente no programa dos Jogos Abertos de Santa Catarina.

“Me mantive junto do primeiro grupo, com outros quatro atletas. Saímos para correr praticamente juntos. Consegui abrir boa vantagem na corrida, nos cinco quilômetros finais. Obtive a vitória individual, mas, o mais importante, foi o título por equipe, para Itajaí”, analisou Sclebin.

CAMPEÃ NO FEMININO É ULTRAMARATONISTA

Bruna Mahn destacou as nuances da disputa. “Aqui, na distância curta, a prova é dura, acelerada. Estou acostumada a fazer competições longas. É a minha primeira vitória. Toda vez que competi, subi ao pódio, mas é a primeira vez que ganho. Participo dos Jasc desde 2015”, avaliou a ultramaratonista, de 33 anos. “Eu faço Ironman. Este ano obtive dois terceiros lugares, um no Brasil e outro nos Estados Unidos.”

A etapa estadual dos 59os Jogos Abertos de SC é promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com as prefeituras de Timbó, Indaial e Pomerode.

 

CLASSIFICAÇÃO FINAL 

Masculino

1) Itajaí, 150 pontos

2) São José, 135

3) Blumenau, 85

4) Balneário Camboriú, 70

5) Joinville, 64

6) Florianópolis, 37

 

Feminino

1) Itajaí, 114 pontos

2) São José, 105

3) Balneário Camboriú, 96

4) Florianópolis, 78

5) Palhoça, 60

6) Joinville, 54

 

PROVAS

Masculino

1) Diogo Sclebin (Itajaí) 51min36seg27

2) Luiz "Chicão" Ferreira (Blumenau) 52min16seg99

3) Fernando Toldi (São José) 52min23seg64

 

Feminino

1) Bruna Mahn (Itajaí) 1h01min58seg

2) Julia Romariz (São José) 1h02 min44seg

3) Fernanda Souza (Itajaí) 1h05min24seg

 

Texto: Olavo Moraes

O apoio familiar é um dos pilares essenciais para dar continuidade na carreira esportiva. Pais que participam da rotina de treinos, acompanham nas viagens para competições, têm a oportunidade de não somente incentivar o filho, bem como experimentar o contato profundo, que aumenta a confiança e amizade de pai para filho. Se da arquibancada o auxílio já é tamanho, imagine estar junto do atleta dentro dos tatames. Quando começou a praticar caratê, Nícolas de Souza tinha apenas 6 anos de idade, mas desde o seio materno o garoto esteve sintonizado a modalidade. “Mesmo grávida, sempre treinei”, revela Márcia Marcos, mãe do atleta. Após dois meses do nascimento, o menino já acompanhava os pais em competições, como os Jogos Abertos de Santa Catarina.

No berço, não recebia só carinho e mamadeira. Para inserir a arte marcial na vida do filho, vez ou outra o pai e sensei Fabrício de Souza procurava aumentar a flexibilidade do garotinho com alongamentos. “Era engraçado. Ele não parava de rir”, lembra. Os sorrisos compartilhados na infância permanecem na adolescência. Viajando lado a lado por diferentes países, são inspiração. Elevam o nome do Brasil e da Cidade Azul por onde têm passado, trazendo no peito inúmeras medalhas. “Meu pai em tudo o que faz se dedica ao máximo. Mesmo sabendo que não é o melhor, ele faz de tudo para chegar até lá”, fala o filho com orgulho.

Em 2018, Fabrício conquistou o auge nos tatames, tendo a surpresa de ser convocado, pela primeira vez, como técnico da seleção brasileira de caratê, que disputou o Pan-Americano, no Rio de Janeiro. Entre novas vivências e ensinamentos, na Vila Olímpica, o sensei pôde ter a honra de acompanhar o filho vencer e conquistar a medalha de bronze internacional, sobre países como México, Canadá, Estados Unidos e Costa Rica. As vitórias daquele ano continuam a dar frutos. Se, com dois meses de idade, Nícolas via o pai competir os Jogos Abertos, neste ano, esteve ao lado dele nos tatames, defendendo o azul, branco e preto da Cidade Azul na competição mais acirrada do estado. Os dois, em conjunto com o atleta João da Silva, foram campeões do kata por equipe nesta sexta-feira (8)."Foi uma emoção diferente", comemora o sensei Fabrício. 

Turbulências, respeito e comemoração

Contudo, nem sempre Nícolas se manteve motivado a seguir os passos do pai. “Queria só ficar igual as pessoas da escola, a tarde inteira vendo TV”. Quando o relacionamento familiar poderia viver a maré da falta de diálogo e compreensão, as ondas que vieram até o garoto foram de reflexão. “Falei que naquele momento ele até poderia desistir das competições, mas de treinar, já que é um esporte para saúde e que tinha dentro de casa, iria continuar”, observa Fabrício. Ao relembrar toda a fase turbulenta, pai e filho sorriem. Entendem que as escolhas do passado, os tornaram mais fortes e sonhadores. Assim, se hoje o carateca de 16 anos tivesse que escolher uma profissão, faria Educação Física, tendo o incentivo necessário dentro de casa.

Pai, filho e mãe, sintonizados, em busca de grandes objetivos. Da academia para casa, da casa para a escola, trocando detalhes e ideias, aperfeiçoando cada vez mais os movimentos da arte marcial. Se com dois meses de idade Nícolas via o pai competir os Jogos Abertos, neste ano, estará ao lado dele, defendendo o azul, branco e preto da Cidade Azul na competição mais acirrada do estado. Na plateia dos tatames e da vida, Márcia vibra, torce e comemora. Não só as vitórias do marido e filho, mas a conquista de ter uma família que emana união. “Significa que a família, bem concretizada e preservada, pode alcançar altos pódios, sendo exemplo para aqueles que estão ao redor”, finaliza.

Texto: Kamila Melo Mendonça

Encerrada nesta sexta-feira (8), o xadrez, a mais longa modalidade na programação dos Jogos Abertos de Santa Catarina, os Jasc, apontou como campeões Blumenau, no feminino, com 92 pontos, e Joaçaba, no masculino, com 91 pontos. Rio do Sul e São Bento do Sul, ambos com 75 pontos completaram o pódio feminino, com a segunda e terceira colocações, respectivamente, conforme critério de desempate na pontuação do xadrez convencional (51 contra 45). Já no masculino, Florianópolis foi segundo, com 90, e Blumenau terceiro, com 74.

O total de pontos compreende a soma da pontuação nas disputas de blitz e rápido, realizadas no sábado (2), e do convencional (pensante) por equipe, em sete rodadas, do dia 3 ao 8, envolvendo seis tabuleiros masculinos e seis femininos.

Com isso, Blumenau somou mais 18 pontos no quadro geral, sendo 13 pela primeira colocação no feminino e cinco pela terceira no masculino. Conforme regulamento dos Jasc, as seis equipes mais bem classificadas, de primeiro a sexto lugar, recebem respectivamente a pontuação de 13, 8, 5, 3, 2 e 1.

Vinte e três equipes estiveram envolvidas na competição, durante os oito dias de muita concentração e tensão, na modalidade mais silenciosa dos Jasc. Pela competição por equipe, no xadrez convencional feminino, Blumenau somou 60 pontos nas sete rodadas, ficando em primeiro, Rio do Sul, com 51, em segundo, e São Bentos do Sul, com 45, em terceiro. No masculino, Florianópolis ficou em primeiro, com 60, Joaçaba em segundo, com 51, e Blumenau em terceiro, com 45. 

Blumenau é o maior vencedor no xadrez feminino, desde 1974, quando a versão feminina da modalidade estreou nos Jasc, o município chegou ao 19º título. Dezesseis deles seguidos, entre 1984 e 2000. O último havia sido em 2013. Joaçaba não vencia no xadrez feminino dos Jasc havia 49 anos. Foram oito títulos entre 1960 e 1970. Desde então, o município estava em jejum na modalidade.

Os resultados e programação dos Jogos Abertos de Santa Catarina podem ser acompanhados pelos boletins publicados diariamente no site oficial da Fesporte (clique aqui para acessar). Os Jasc são promovidos pelo Governo de Santa Catarina – @governosc – e realizados por intermédio da Fesporte, em parceria com os Municípios de Indaial, Timbó e Pomerode.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Teve apagão, superação e susto, na classificação de Blumenau à semifinal do vôlei feminino nos Jogos Abertos. Agora, o time do técnico Luís Henrique da Silva encara Chapecó, em busca da vaga à final, no domingo (dia 10). 

No confronto da tarde desta sexta-feira, no Ginásio do Parque de Esportes de Pomerode, Blumenau venceu Caçador por 3 sets a 0, mas passou aperto no segundo set, quando perdia por 11 a 1, e conseguiu virar a série. Antes, Chapecó derrotou Concórdia por 3 sets a 0.

Blumenau venceu bem a série inicial. Fez 25 a 17. No segundo, veio o apagão. Com determinação, as rivais de Concórdia impuseram 11 a 1. Mas a equipe reuniu forças e soube contornar as adversidades. 

“Foi um jogo de superação. Saímos de um placar extremamente adverso, fizemos uma alteração e a atleta acabou buscando o jogo no saque. Conseguimos equilibrar as ações de ataque do adversário sacando bem, para buscar o jogo e fechar o set em  25 a 20”, explica Luiz Henrique.

No terceiro e último set, com vantagem de 2 a 0, a central Márcia sofreu pancada forte com a bola rival, em jogada de ataque de Caçador. Foi atendida, e sacada do time para evitar qualquer situação de risco. Ao final, vitória por 26 a 24 no último set.

 “Agora no final, Márcia sofreu uma bolada no rosto, e a gente optou por tirá-la, para preservar sua integridade física. Entrou Yasmin, e desempenhou bom papel”, explicou o técnico semifinalista. “Graças a Deus, conseguimos classificação para a semifinal”. No outro duelo por vaga à semifinal deste sábado, penúltimo dia dos Jasc-2019, Chapecó superou Concórdia por 3 a 0, em 25/10, 25/9 e 25/14.

A etapa estadual dos 59os Jogos Abertos de SC é promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com as prefeituras de Timbó, Indaial e Pomerode.

Texto: Olavo Moraes

Pagina 1 de 78