Heron Queiroz

O dia 15 de outubro marca a homenagem a um dos mais importantes profissionais numa sociedade, o professor, responsável por conduzir crianças, jovens e adultos à formação intelectual e profissional, e consequentemente, para muitos, à realização de sonhos. 

A data especial é conhecida por todos e comemorada em todo o território nacional; mas o que poucos sabem é que foi uma catarinense de Florianópolis que criou o Dia do Professor. Antonieta de Barros, uma das primeiras parlamentares no Brasil, foi autora do projeto que criou a Lei nº 145, de 12 de outubro de 1948, que instituiu o 15 de outubro como Dia do Professor. A data se remete ao dia que D. Pedro II, em 1827, sancionou a Lei Educacional no Brasil.  A data foi oficializada no País somente em 1963, pelo presidente João Goulart,  por intermédio co Decreto Federal nº 52.682. 

No Brasil, existem cerca de 2,6 milhões de professores. Só na rede pública de Santa Catarina, há mais de 15 mil atuando em escolas. E nesse tempo de pandemia, os profissionais de educação serão responsáveis não apenas por criar formas alternativas de transmitir conhecimento, mas de repensar métodos educacionais para os novos tempos.

Essa realidade não é diferente com os professores de Educação Física, responsáveis não apenas pelas atividades físicas, mas por um processo de socialização de seus alunos e por que cada um deles tenha autoconhecimento sobre o corpo e suas funções, além de hábitos saudáveis. E isso inclui ainda desenvolvimento de projetos esportivos de base, que dão resultado o aumento da qualidade de vida na sociedade.

Muitos desses professores que desenvolvem projetos esportivos, mesmo a distância, desenvolveram sistemas de treinamento para manter os alunos em atividade durante o afastamento social, a fim de que não haja muito prejuízo de desempenho quando forem retomadas as competições esportivas. Da mesma forma, professores de outras disciplinas também se empenham para diminuir perdas no processo de ensino-aprendizagem.

Por esse motivo, em 2020, essa homenagem se torna ainda mais necessária. Os professores, como agentes importantes de construção social, terão um papel fundamental a partir do chamado “novo normal”, sobretudo em novos conceitos, novos métodos e na relação entre as pessoas.

Assista a vídeos que destacam o trabalho e a emoção dos professores nos eventos de esporte escolar.



 

 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A Fesporte relembra a inédita conquista do golbol feminino nas Paralimpíadas Escolares 2019. Na capital paulista, as catarinenses venceram as anfitriãs, favoritas ao título, em partida emocionante, com direito a virada de placar e muita comemoração.

Assista ao vídeo

                                  Produção: Heron Queiroz e Bruno Damian

A equipe feminina de golbol sagrou-se campeã das Paralimpíadas Escolares 2019, realizadas no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, de 19 a 22 de novembro. Num jogo emocionante, cuja disputa já começava em plena torcida, entre paulistas e catarinenses, empurrando seus times, com gritos de guerra a cada parada de jogo. São Paulo vencia o jogo por 1 a 0, mas a artilheira da competição, com 26 gols, Sinara, conseguiu virar o placar nos últimos minutos, levantando a torcida catarinense.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Depois de seis anos, Ginásio Municipal de Esportes de Descanso, no Oeste catarinense, foi reinaugurado, na manhã desta terça-feira (13)A vice-governadora, Daniela Reinehr, e o presidente da Fesporte, Rui Godinho da Mota, presenciaram o ato, representando a parceria do Estado nos recursos aplicados para a realização da obra.

O convênio para reforma foi firmado ainda em 2014, mas teria sido extinto no fim de 2015. Com a reativação do convênio em 2019, mediante assinatura de novo aditivo, a obra teve início em janeiro de 2020. A reforma custou R$ 1.078.232,28, dos quais foram repassados pelo Estado R$ 561.750,00, e o restante, R$ 516.482,28, foi aportado pelo Município.

Para Godinho, o cidadão de Descanso ganha um importante espaço esportivo. “É o único ginásio de esportes da cidade. E desativado, por falta de condições de uso, servia de propaganda negativa para o município. Essa parceria permitiu aos descansenses ter uma instalação de qualidade para a prática esportiva e desenvolvimento de projetos”, concluiu.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Aos 83 anos, faleceu o multicampeão de atletismo, Dermantino Martins. Florianopolitano, Dermantino começou a competir em 1953. Atuou nos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) desde a primeira edição, em 1960, até o ano de 1974. Atleta versátil, competia em oito provas do atletismo, conquistando diversos títulos, além de ter sido recordista catarinense na prova de 110 metros com barreiras. Foi servidor público e atuou na Coordenadoria de Esporte (COD), departamento da Secretaria de Educação e Desporto, responsável pela gestão do esporte catarinense, antes da criação da Fesporte.

Em 1995, foi condecorado com a Comenda do Mérito Desportivo, honraria entregue pelo Conselho Estadual de Esporte (CED), destinada a pessoas com relevantes serviços prestados ao esporte catarinense. 

Há cerca de um ano, Dermantino vinha fazendo tratamento contra um câncer no estômago, mas não resistiu e faleceu às 6h da manhã desta quarta-feira (7) e foi sepultado às 16h no cemitério de Coqueiros, em Florianópolis.

O presidente da Fesporte, Rui Godinho da Mota, lamentou muito a morte de Dermantino Martins e destacou sua importante contribuição ao esporte catarinense, tanto como atleta quanto como servidor do estado a serviço do esporte catarinense, contribuindo bastante para o surgimento da Fesporte posteriormente.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Coordenadores de esporte atuarão diretamente nas regiões para verificar instalações esportivas pelo estado e dinamizando a alimentação do sistema digital do projeto de inventariação.

A Inventariação de Instalações Esportivas de Santa Catarina, projeto de mapeamento inédito criado pela Fesporte, já atingiu 99,66% dos municípios catarinenses. Segundo dados da Gerência de Políticas e Projetos Esportivos, que coordena o projeto, já foram cadastrados 2.665 praças esportivas. 

Clique aqui para acessar os formulários de inventariação

Apesar da abrangência do projeto por todo o estado, estima-se que muitos espaços esportivos ainda não foram cadastrados. Isso porque boa parte dos municípios não fez o cadastramento de todas as praças esportivas instaladas em sua área. Entre os principais motivos, destacam-se a dificuldade logística, a impossibilidade de acesso a estruturas privadas e escolas por conta da pandemia e casos de gestores infectados com a covid-19.

Em função disso, para que haja maior eficácia e abrangência nas ações, a Fesporte definiu uma nova estratégia, pela qual os coordenadores esportivos estão in loco para verificação das instalações e alimentação do sistema digital.

Os dados estarão disponíveis no sistema de gestão esportiva que está sendo desenvolvido pela Fesporte e poderão ser acessados pelo público em geral por intermédio do georreferenciamento no Programa My Maps, do Google Maps (clique aqui para acessar).

O inventário permitirá a Fesporte não apenas conhecer as instalações esportivas disponíveis e suas localizações, mas também obter um diagnóstico das condições de cada instalação para a realização de eventos esportivos oficiais e desenvolvimento de ações de políticas públicas ao esporte catarinense.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Uma minuta de projeto de lei está sendo discutida e elaborada pela Fesporte, objetivando transformar os recursos disponíveis para a realização dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) e outros eventos do calendário, em cotas de auxílio emergencial a atletas que tenham prejuízo financeiro decorrente do cancelamento da competição.

Os setores administrativo, técnico, financeiro e jurídico da Fesporte estão reunidos durante esta quinta-feira (1º) para tratar do valor montante, números referentes a cotas e critérios para o recebimento do benefício, tendo como base o PL nº 2.824/2020, da Câmara Federal, no que trata especificamente a atletas, excetuando-se, portanto, a parte de clubes.

Segundo Rui Godinho da Mota, presidente da Fesporte, a equipe está trabalhando para deixar o documento pronto ainda nesta quinta e entregar na sexta-feira (2) à Casa Civil. “Muitos setores estão recebendo auxílio, menos nossos atletas, que vivem do esporte, e muitos dos quais, até agora, estão abandonados”, comentou ele.

Transformada em projeto de lei, a proposta deverá tramitar na Assembleia Legislativa (Alesc), onde será votada. Otimista, Rui Godinho considera que a aprovação do PL será uma importante vitória. “Esse foi um ano muito difícil para os atletas, e precisamos ver a possibilidade de contemplar a manutenção dos treinamentos. Estamos, desde março, empenhados em fazer os eventos acontecerem, mas estamos diante de algo imponderável, imprevisível, voltando à região grave da pandemia, sem sequer realizar as competições microrregionais. Por outro lado, se tivéssemos a clareza da inviabilidade do evento e cancelado no início da pandemia, certamente muitos atletas e técnicos já teriam sido dispensados e as equipes desfeitas. Ainda que não fosse esse nosso planejamento, a busca pela realização de eventos permitiu a manutenção de atletas por um período mais longo. Vamos, portanto aproveitar esses recursos para auxiliar atletas, que é a decisão mais acertada no momento”, disse.

Assim que pronta a minuta, a Fesporte publicará os principais pontos da proposta e, quando aprovada, disponibilizará um manual contendo critérios, normas e procedimentos para os beneficiários.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Pagina 1 de 96