Heron Queiroz

A Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) informa que não faz cobrança de taxa de participação em eventos do calendário oficial. Considerando tratar-se de uma entidade pública que organiza e executa eventos promovidos pelo Estado de Santa Catarina, tais cobranças não condizem com os princípios da instituição, pois não há lei que permita tal feito.

Todavia, é importante observar que é de responsabilidade do município o procedimento seletivo para definir seus representantes, quer numa etapa microrregional, quer numa estadual, a exemplo de eventos realizados sem etapa classificatória antecedente ou ainda como modalidade de apresentação. Destaca-se que essas ações, que possam ter prestação de serviço de federações ou de profissionais da área, não têm qualquer vínculo com a Fesporte ou com seus eventos, posto que são procedimentos que antecedem as obrigações desta Fundação. 

Não se vincula, portanto, a participação de atleta em qualquer evento da Fesporte ao pagamento de taxa. Cada município tem sua forma própria de selecionar seus atletas no início de temporada esportiva, com a devida antecedência aos nossos eventos oficiais. Assim, a cobrança eventualmente efetuada por um município ou federação, neste caso, não é para participar de eventos da Fesporte, mas para cobrir custos do município com serviços prestados para a seleção.

Em resumo, o que se quer dizer é que não é obrigatório o pagamento de taxas para a participação nos eventos desta Fundação, estando os requisitos dispostos no próprio regulamento da competição (acesso em www.fesporte.sc.gov.br), a exemplo da inscrição por meio de um município e respeito às regras de idade.

 

Faltam dois dias para a abertura oficial do segundo maior evento esportivo de Santa Catarina. Cerca de 3.200 atletas de 81 municípios catarinenses estarão em Rio do Sul, de 19 a 27 de julho, para as competições da 32ª edição dos Joguinhos Abertos de Santa Catarina. Serão 15 modalidades em disputa: atletismo, basquete, caratê, ciclismo (contrarrelógio, cross country, bicicross e estrada), futebol, futsal, ginástica rítmica, handebol, judô, taekwondo, tênis, tênis de mesa, voleibol, vôlei de praia e xadrez.

Além dessas modalidades também compõem a grade a natação e a ginástica artística, que, para atender as exigências regulamentares, já foram realizadas no Complexo Aquático da Unisul, em Palhoça, nos dias 6 e 7 de julho, e no Complexo Esportivo do Sesi, em Blumenau, em 13 e 14 de julho.

Uma das novidades desta edição é que o taekwondo pelo primeiro ano compõe a grade como modalidade oficial, depois de cumprir o período exigido como modalidade de apresentação. O tênis feminino não acontecerá, por não exigir o limite mínimo de oito municípios.

Vinte e um locais de competição comporão a estrutura física dos Joguinhos, sendo duas fora de Rio do Sul: o Ginásio Municipal de Lontras e Ginásio Municipal de Esportes Hermínio Girardi, em Laurentino. Em ambos os espaços acontecerão as partidas de voleibol.

O cronograma geral do evento, programação e boletins diários podem ser acompanhados diretamente pelo site da Fesporte (acesse aqui).

A abertura dos Joguinhos Abertos acontecerá no dia 19, às 20 horas, no Ginásio Municipal Artenir Werner. O evento é uma promoção do Governo do Estado, realizado pela Fesporte, em parceria com o Município de Rio do Sul.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A Fesporte divulgou em seu site oficial um novo cronograma da modalidade de atletismo para a 32ª edição dos Joguinhos Abertos de Santa Catarina, que acontece de 19 a 27 de julho, em Rio do Sul.

As competições de atletismo serão realizadas de 24 a 26, em seis etapas. As alterações se deram em função de adaptação das provas à pista, que se compõe de cinco raias.

Clique aqui e fique por dentro da programação.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A modalidade de natação dos 10os Jogos Escolares Paradesportivos (Parajesc) e dos 15os Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) foram definidas para a Piscina Municipal de Indaial. As competições dos Parajasc acontecerão no sábado (3 de agosto) e do Parajesc no domingo (4), em ambos os dias, a partir das 8 horas. As atividades começam, contudo, na sexta-feira (2), com a chegada das delegações, classificação funcional e congresso técnico dos Parajasc. Já a classificação funcional e congresso técnico dos Parajesc acontecem no sábado.

Piscina Municipal de Indaial (Rua Leoberto Leal, 155 – Tapajós) será palco das competições da natação dos Parajesc e dos Parajasc  (Foto: Divulgação)

A definição do local deu-se em função de que os municípios-sede das competições não dispunham de piscina oficial para as competições. Os Parajesc já foram realizados na cidade de Maravilha, nos dias 5 e 6 de julho. Faltava apenas a natação para a conclusão da programação. Essa mesma modalidade antecipa-se à programação dos Parajasc, que acontecerão, de 14 a 20 de outubro, em Caçador.

Trinta e sete atletas dos Parajesc competirão em busca de índice para participar das Paralimpíadas Escolares, que acontecerão em novembro, em São Paulo (SP). No caso dos Parajasc, a coordenação do evento ainda não pode precisar o número de participantes, uma vez que o prazo de envio de relação nominal vai até 31 de julho.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

A história de Baby Wilson e Douglas He-Man, pai e filho, que superaram as limitações e depressão com a prática do jiu-jitsu convencional e do parajiu-jitsu.

Às vésperas da maior competição da modalidade no país, esse ainda jovem esporte já possui grandes nomes que levam o Brasil ao destaque mundial. E essas feras já se encontram em Florianópolis para o 1º Brasileiro de Jiu-Jitsu Pradesportivo, que acontece no sábado, 13, no Hotel Internacional Canasvieiras, onde na tarde de sexta, 12, foi realizada a classificação funcional para a competição.

Dentre os grandes nomes estão o do bicampeão mundial em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, Emanuel Araújo, deficiente físico classe H; o do campeão dos grand slam de Londres, Rio de Janeiro e Los Angeles e bicampeão mundial em Abu Dhabi, na classe B, deficiência visual, Moisés Santoro; o do campeão da classe N e do absoluto, Gabriel Nogueira; e o da campeã mundial, título conquistado em abril deste, Duclécia Santos, a Duda, amputada, classe A.

E é nesse encontro de feras do parajiu-jitsu que encontramos uma dupla unida pelo esporte e pelo amor: Wilson Oliveira Pinto (o Baby) e Douglas Felipe Pinto (o He-Man). Que o esporte une as pessoas, não é novidade; que o paradesporto é uma importante ferramenta de inclusão social e de elevação de autoestima também é incontestável. E isso não é diferente com o jiu-jitsu paradesportivo. De tantas histórias que o paradesporto tem para contar, uma delas é a dessa dupla de atletas de parajiu-jitsu.

Baby Wilson, o pai, 58 anos de idade; Douglas He-man, o filho, 36. Naturais de Rio Grande (RS). Em 1998, funcionário Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), no Rio Grande do Sul, Wilson foi vítima de um acidente elétrico que o levou a amputar ambas as pernas. Douglas, então com 16 anos de idade, sonhava com um voo alto no futebol, iniciando no Sport Club Rio Grande, entrou em depressão depois do acidente do pai e desistiu do sonho do futebol.

Aos poucos, Douglas foi retomando as atividades esportivas, mas já não via um futuro no futebol. O jovem começava a se encantar com as modalidades marciais, passando por várias delas, como boxe e muay thai; mas foi no jiu-jitsu que se firmou. Há sete anos, resolveu levar o pai para assistir a um treino seu . Observando os treinos e simulações de lutas, Wilson fez uma observação: “Acho que isso eu consigo fazer”. Soou como um desafio a ele próprio, fazendo o treinador entregar-lhe um quimono. Apenas aprender não era suficiente. O veterano já buscava a finalização em seu primeiro dia de experiência.

De lá pra cá, não parou. Tendo o filho como técnico, Baby Wilson já conquistou o tricampeonato de forma invicta em Abu Dhabi e foi bronze no Japão. Ele conta com o empenho de Douglas He-Man, que, com sua experiência no jiu-jitsu convencional, desenvolve movimentos e finalizações adaptadas ao parajiu-jitsu. Um se diz fã do outro, trocando constantemente palavras, carinhos e abraços, estes tão justos quanto no tatame, mas que jamais se finalizam.

Douglas He-Man ainda usou o tempo da classificação funcional para passar a outros atletas alguns movimentos de finalização que ele criou e desenvolveu para as lutas de Baby Wilson.

Mais de 300 lutas acontecerão entre as 11h e 19h para definir o campeão de cada uma das 17 classes previstas no congresso técnico realizado na tarde desta sexta, 12, em Canasvieiras.

Tatames receberão cerca de 300 confrontos definidos no congresso técnico na tarde desta sexta (Foto: Heron Queiroz)

A realização do evento tem a parceria do Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte, Federação Brasileira de Jiu-Jitsu Paradesportivo, Prefeitura de Florianópolis e Sumus.

 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Florianópolis prepara-se para receber 1º Brasileiro de Jiu-Jitsu Paradesportivo, e um conjunto de ações, como seminário e jantar, está sendo realizado para a chegada de atletas e autoridades. Um total de 117 atletas estarão presentes na competição, que acontece no sábado, 13, em Canasvieiras. Entre eles estarão representantes de todos os estados brasileiros, três angolanos e uma argentina.

Na tarde desta quinta-feira, 11, o presidente da Federação Brasileira de Jiu-Jitsu Paradesportivo, Elcyrlei Luz da Silva, ministrou um seminário no auditório da Fesporte, com o objetivo de preparar árbitros e profissionais de academias a receber atletas deficientes, considerando adaptações do espaço físico e a parte técnica em lidar com os 18 tipos de deficiência. Representantes de diversas entidades de Santa Catarina e de outros estados estiveram presentes. 

O presidente da Fesporte, Rui Godinho, aproveitou para dar boas-vindas aos participantes e destacou a importância do evento para Santa Catarina. "Poder sediar um evento que já nasce com essa magnitude é bastante importante, principalmente porque tem forte caráter inclusivo, vindo ao encontro de um dos principais focos da nossa gestão", destacou Godinho.

O sexta-feira, 12, está reservada para o classificação funcional dos atletas e congresso técnico, das 13h às 17h. É pela classificação funcional que se definem o grau de deficiência de cada atleta, relacionando-o a uma classe da qual farão parte seus adversário. O congresso técnico cuidará dos confrontos entre eles e a respectiva ordem de lutas e horários. As atividades ocorrerão no Hotel Canasvieiras Internacional, onde ainda na noite de sexta será servido jantar aos atletas e autoridades.

Atletas de todo o Brasil e de outros países estão chegando a Florianópolis para o 1º Brasileiro de Jiu-Jitsu Paradespotivo (Foto: Rafael Luteri/Desbravadores Inclusivos)

No mesmo local, acontecerão as competições, no sábado, 13, das 11h às 19h. Dentre as 18 classes envolvendo as deficiências física, intelectual e visual, a organização do evento prevê cerca de 30 a 35 categorias, número este que será definido a partir da classificação funcional.

A organização e realização do evento têm a parceria do Governo do Estado, por intermédio da Fesporte, Federação Brasileira de Jiu-Jitsu Paradesportivo (FBJJP), Prefeitura de Florianópolis e Sumus.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Pagina 1 de 56