Terça, 08 Novembro 2022 19:15

A primeira vez dos Jasc, em Rio do Sul, a gente nunca esquece Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
A taça Taça Jules Rimet esteve na abertura dos Jasc em 1971 em Rio do Sul A taça Taça Jules Rimet esteve na abertura dos Jasc em 1971 em Rio do Sul Prefeitura de Rio do Sul

São 51 anos da primeira vez que os Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) foram realizados em Rio do Sul. Não é pouca coisa, tempo suficiente para o esquecimento, até porque em 1995 a cidade viveu novamente as emoções deste que é o maior evento esportivo de Santa Catarina. Mas a edição de 1971, a 12ª, é lembrada até hoje com carinho e um certo toque de nostalgia por atletas, dirigentes, jornalistas, por todos, enfim, que de alguma forma participaram da competição. Fatos diferenciados, inesquecíveis - até muita tristeza por luto - não repetidos nas edições subsequentes, marcaram os Jasc/71 disputados em 19 modalidades.

Uma das competições, consideradas normais naquela época, chamava muita atenção e seria, atualmente, condenada pelas sociedades protetoras dos animais. O “Tiro ao Pombo”, substituído mais tarde pelo sofisticado e inofensivo “Tiro ao Prato”, praticado hoje sem remorsos entre as modalidades do “Tiro Esportivo”.

O desfile de abertura percorreu ruas centrais da cidade, desde a Avenida Aristiliano Ramos, até o estádio Alfredo João Krieck, para a concentração das delegações. Foi marcante, como nenhum outro, pela presença da Taça Jules Rimet, conquistada um ano antes pela seleção brasileira no México. O importante troféu – confeccionado em ouro, prata e pedras preciosas -, roubado da sede da CBD em 1983, acabou derretido pelos larápios. No desfile passou pelas mãos do técnico de futsal, e campeão estadual de futebol em 1965, pelo Inter lageano, Euclides Paulo Pompilio, o Leoquido.

A Jules Rimet não despertou a curiosidade do público apenas pela sua importância para o futebol brasileiro. É que com ela veio a Rio do Sul uma importante comitiva, formada pelas maiores autoridades esportivas do país: João Havelange, então presidente da CBD – em 1979 CBF -, e mais tarde da FIFA, Jerônimo Bastos, presidente do Conselho Nacional do Desporto, e Erich Tinoco, da Divisão de Educação Física do MEC. Além da taça, eles trouxeram no alforje 130 mil cruzeiros, como auxílio para o município realizar os Jogos Abertos.

 

Lido 809 vezes Última modificação em Terça, 08 Novembro 2022 20:06