A Fesporte e a Secretaria Estadual de Educação (SED) deram início ao Acordo de Cooperação que possibilita que escolas estaduais atuem como unidades executoras do Programa de Iniciação Desportiva Escolar (Pide). Desde que foi lançado em maio de 2022 o Pide vem sendo executado entre Fesporte, Universidades e associações esportivas. Agora o Programa ganha o reforço das escolas estaduais.

E para celebrar acordo, representantes de oito escolas estaduais estiveram na sexta-feira, 16, na sede da Coordenadoria Regional de Educação, de Joinville, para receber, de forma simbólica, os primeiros materiais esportivos como bolas de futsal, handebol, vôlei  e  basquete. 

Esses materiais, que incluem ainda tatames e redes de voleibol, handebol e basquete,  entre outros, farão parte de atividades esportivas que serão implantadas nas escolas.

A cerimônia contou com a participação do presidente da Fesporte, Kelvin Soares; do deputado Estadual Fernando Kreling; da Coordenadora Regional de Educação de Joinville, Sônia Paul e dos representantes das escolas estaduais de Joinville Olavo Bilac, Giovani Faraco, Arnaldo Moreira Douat, Paulo Medeiros, Juraci Brosig, Jorge Lacerda, Antônia Alpaídes dos Santos e  Escola Municipal Celso Ramos.

 Práticas esportivas no contraturno escolar

Jeferson Ramos Batista, coordenador do Pide pela Fesporte, participou da cerimônia de forma online. O professor Marcos Andrigaeto, coordenador de Educação Física da Ielusc, instituição que executa o Pide desde setembro, também participou do encontro, alem de seus acadêmicos de educação física, Bruno Soares e Tainara da Silva, que já são professores do Pide.

O Pide tem como objetivo oportunizar práticas esportivas no contraturno escolar para crianças e adolescentes na faixa etária de 10 a 16 anos que estejam regularmente matriculadas na rede de ensino público estadual. Nas Unidades Executoras de ensino superior estudantes de Educação Física são selecionados por suas faculdades, por meio de bolsas, para ministrar as atividades esportivas.

 Desde que foi lançado pela Fesporte o Pide já investiu mais de 6 milhões em recursos públicos, beneficiando cerca de 7 mil alunos da rede pública em 36 municípios por meio de 51 unidades executoras. Até o momento só em material esportivo são  mais de R$ 657 mil e em material esportivo são mais de R$ 5 milhões.

Reunião ocorreu em Joinville (Foto: Antonio Prado)

Para a professora Patrícia Bandelaw Amaral, assistente de direção da Escola Antônia Alpaídes dos Santos, a inclusão do Pide nas escolas será muito importante, pois o esporte, além de promover saúde nas pessoas, desperta o senso de coletividade. “E isso é muito importante para quando a criança, no futuro, entrar no mercado de trabalho, já que ele exige cada vez mais o trabalho em equipe”, enfatizou.

Kelvin Soares disse que a inclusão de escolas no Pide é muito importante, pois muitas delas, têm infraestrutura esportivas para o desenvolvimento das atividades. “Dentro do Programa já temos parcerias como unidades executoras escolas municipais, clubes a associações esportivas, mas ainda não tínhamos o termo de cooperação com a Secretaria Estadual de Educação para o uso das escolas como unidades executoras. Agora temos isso, que ampliará o benefício do esporte para mais pessoas”. 

Empenho da Secretaria Estadual de Educação

Sônia Paul fez questão de ressaltar o empenho de Secretário Estadual de Educação, Vítor de Angelo, no processo de assinatura Acordo de Cooperação com a Fesporte. “Ficamos felizes pelo apoio da Secretaria Estadual de Educação com a Fesporte e também pelas escolas de Joinville serem pioneiras nessa implantação do Pide nas Escolas”, destacou.

Tainara da Silva, 22 anos, aluna da 5ª fase de Educação Física, pelo Ielusc, e professora de voleibol, diz que a experiência no Pide está sendo muito enriquecedora. “Leciono voleibol, modalidade que pratico há mais de 12 anos, e essa experiência está sendo gratificante porque eu ensino e aprendo com meus alunos. Colocamos nas aulas práticas de voleibol o que estamos aprendendo na faculdade e o Pide está nos proporcionando experiência como professor e isso é muito importante para nós”, concluiu.

O deputado Fernando Kreling destacou o Pide como uma oportunidade do pode público promover atividade social por meio do esporte. Tínhamos a experiência do Pide em Joinville e sempre era nossa ideia levar essa ação para outros municípios. Trabalhamos juntos para que essa ação se expandisse. E hoje isso é uma realidade importante, porque o esporte é uma ferramenta de transformação social”.  

 

Estiveram nesta segunda- feira (12/12), na sede da Fesporte, em Florianópolis, representantes de Federações com projetos de visibilidade nacional e com equipes em Ligas Nacionais, nos esportes de quadra em alto rendimento. Os questionamentos foram sobre o andamento das ferramentas de fomento do Governo do Estado. Trata-se de uma iniciativa inédita da Fesporte, que nos governos anteriores apenas organizava os eventos do calendário. Nos últimos anos, a Fundação passou a planejar  as políticas públicas de apoio ao esporte catarinense. Além de programas como o Pide(Projeto de Iniciação Esportiva Escolar) e o Bolsa atleta, foram criadas leis e ferramentas de fomento que estão em fase final de aprovação e regulamentação.

Neste momento, existem duas leis importantes tramitando no Governo do Estado, com o objetivo de fomentar o esporte em geral, mas que serão fundamentais para a manutenção de muitos projetos de Ligas Nacionais: Lei de Incentivo e Lei de Patrocínio.  Atualmente, mais de 15 projetos de Liga Nacional poderiam ser incentivados por estas leis,  só nas modalidades de voleibol, basquete, futsal e handebol. 

Os recursos de aproximadamente R$ 75 milhões

 A Lei de Incentivo foi elaborada nos moldes do PIC da cultura, já provada na Alesc, e envolve a renúncia fiscal por meio de empresas privadas. Os recursos previstos para o esporte são de aproximadamente R$ 75 milhões.  Cada projeto de Liga Nacional poderia captar até R$ 1,2 milhão, por exemplo. Já a Lei de Patrocínio prevê o repasse direto do Governo do estado, podendo alavancar  o apoio aos atletas em modalidades individuais, despesas com estruturas para  eventos esportivos, entre outros. 

“Acreditamos que já subimos a régua em matéria de investimentos, nos últimos anos. Santa Catarina é referência esportiva no país, mas pode dar um grande salto com a aprovação destas leis, levando o esporte catarinense a outro patamar”, destacou Kelvin Soares, Presidente da  Fesporte. Drean Dutra, do Handebol de Itajaí, destacou os avanços e acredita que a aprovação da lei será fundamental para os projetos de alto rendimento. “Estamos na expectativa. O Bolsa Atleta já nos ajuda muito na base. Hoje não perdemos mais atletas de base para clubes de fora do estado. No alto rendimento, podemos chegar ainda mais longe. Enfrentamos sempre adversários com investimentos muito maiores que o nosso.”, destacou Drean. No último domingo(11/12), Itajaí  sagrou-se vice-campeão da Liga Nacional de Handebol.

A Fesporte tem ouvido vários segmentos do esporte para o aperfeiçoamento dos programas já implementados, como o Bolsa Atleta. As propostas estão sendo documentadas e serão referências para políticas públicas no esporte catarinense.

 

Por conta da situação de emergência vivida pelo estado de Santa Catarina em decorrência das fortes chuvas e as dificuldades de mobilidade, a Fesporte decidiu cancelar a realização dos Jogos da Terceira Idade (Jasti) que estavam programados para acontecer entre os dias 7 e 11 de Dezembro, na cidade de São Bento do Sul. O evento iria reunir mais de 2000 participantes, com deslocamentos terrestres de todas as regiões do estado.

A localização do evento é um dos principais motivos, já que São Bento do Sul fica numa região de serra e as estradas que dão acesso ao município oferecem riscos aos participantes. 

Há previsão de chuvas e mesmo com a liberação parcial da Serra Dona Francisca, ficou decidido cancelamento do evento. Várias rodovias do estado devem demorar alguns dias para que alcancem a normalidade.  A situação crítica de muitos municípios que iriam participar do evento,  que agora mobilizam suas forças de segurança para a volta a normalidade também justifica a decisão tomada. 

“É uma decisão bastante difícil, porque sabemos da importância para os nossos idosos. Mas precisamos agir com cautela, sempre priorizando a segurança dos participantes”, disse Kelvin Soares, Presidente da  Fesporte.

A Fesporte agradece a todos aqueles que participaram das etapas classificatórias e especialmente ao município de São Bento do Sul, que não mediu esforços para realização do evento. Como não há mais espaço no calendário, o evento não será realizado em 2022, devendo voltar a ser disputado no ano que vem, com a etapa Estadual programada para acontecer entre os dias 4 e 7 de maio.

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira,29, com a participação da Defesa Civil, Fesporte e o Município de São José, ficou definido o cancelamento dos Parajasc 2022, programados para acontecer entre os dias 30 de Novembro e 4 de Dezembro.

O Governo do Estado vinha monitorando a situação nos últimos dias e dado ao agravamento do quadro meteorológico, em quase todas as regiões do estado, a decisão pelo cancelamento  dos Parajasc  foi unânime. 

Acesse aqui a nota oficial da Fesporte

A decisão atende a recomendação da Defesa Civil com base nos incidentes já provocados pelas fortes chuvas e diante da previsão do agravamento da situação nos próximos dias, especialmente nas regiões do Vale do Itajaí, norte do estado, planalto norte e Grande Florianópolis, onde estava programado para acontecer a maior parte do evento.

Segundo o Secretário da Defesa Civil, David Busanello, há um alerta meteorológico de chuvas para esta quarta-feira(30), podendo chegar a 150 milímetros, num único dia. O acumulado dos últimos 10 dias deverá  passar dos 400mm.

A região da Grande Florianópolis poderá sofrer muitos transtornos, especialmente em relação à mobilidade. Andréa Grando, Secretária de Esportes de São José, destacou a situação e validou a decisão com base nas recomendações da Defesa Civil.

O Presidente da Fesporte, Kelvin Soares, entende que a segurança está em primeiro lugar e que diante do atual quadro, a decisão pelo cancelamento é a mais correta. “O deslocamento por nossas estradas está bastante complicado, mesmo para quem vem da Região Oeste, onde faz sol, mas que precisaria passar por regiões de serra com altíssimos riscos de deslocamentos de terras, como já alertou a Defesa Civil”, disse Kelvin.

O Secretário da Defesa Civil, David Busanello, lembrou ainda do risco de uma eventual necessidade repentina de retorno de participantes dos jogos, por conta de incidentes nas suas cidades de origem.  “Sabemos como funciona o comportamento das pessoas nessas situações e a nossa função é minimizar riscos, buscando segurança de todos”, destacou.

Alguns  árbitros já ficaram bloqueados nas estradas, tendo que retornar para suas cidades de origem, como aqueles que se deslocavam de Curitiba na última terça-feira, o que também foi relatado pelo departamento técnico da Fesporte durante a reunião realizada esta manhã.

Modalidades como Golboll e Bocha Paralímpica já estavam tecnicamente inviabilizadas para o evento. Além do alerta para modalidades em locais abertos como o Atletismo. Havia muita preocupação também com a piscina da UFSC, que receberia as provas de natação. 

Com base nas informações acima mencionadas e reforçando as dificuldades com o calendário neste final de temporada, o evento não será realizado em outra data.

O domingo, 27, foi de muita emoção em Videira, pois foi o dia em quem as escolas estaduais Santa Terezinha, de Brusque, no masculino, e Vidal Ramos, no feminino, sagraram-se campeãs estaduais da 1ª edição do Campeonato Catarinense Escolar de Futebol - Moleque Bom de Bola,  faixa etária 15 a 17 anos. Este ano a competição reuniu duas faixas de idade:  a tradicional 12 a 14 anos, realizada em Luiz Alves, e agora a primeira edição 15 a 17 anos. As decisões tiveram como palco o Estádio Municipal Luiz Leoni, no bairro Alvorada.

A primeira decisão do dia foi entre as mulheres reunindo as escolas estaduais Vidal Ramos, de Concórdia, e Dr. Guilherme José Missen, de São Miguel do Oeste. Em campo as meninas de Concórdia mostraram superioridade técnica logo nos primeiros minutos da partida. Assim o placar de 5x0 refletiu bem o que foi o jogo.

Entre as atletas destaques para Ana Santos e Samanta Vicini, que marcaram dois gols cada, e ainda Cauane Salvi, que também deixou seu gol. Após o jogo muita festa das campeãs no pódio.

Atletas da Escola Santa Terezinha, de Brusque, comemoram o título no masculino (Foto: Pedro Schaitel/Divulgação)

Na disputa do terceiro lugar, a Escola Estadual Lourdes Lago, de Chapecó, goleou por 7x1 a Escola Estadual Frei Manoel Phillipi, de Imbuia, com gols de Thamara Silva (3), Danieli Rotava, Letícia Rigo, Maria Mocelin e Yasmim Lorenzeti.

Já na outra final, a masculina, o que se viu foi um equilíbrio técnico entre as escolas estaduais Santa Terezinha, de Brusque, e Sara Castelhano Kleinkauf, de Guaraciaba. Mas por fim, o gol de Gabriel Vieira deu vitória de 1x0 e o título para os meninos de Brusque.

Pela disputa do terceiro lugar a Escola Estadual Raimundo Correa, de Seara, fez 3x0 na Escola Estadual, Bulcão Viana, de Praia Grande, com destaque para Yarley dos Santos, que fez dois gosl e Kauan Lisboa, que fechou o placar.

A etapa Estadual do Moleque Bom de Bola 15 a 17 anos é uma promoção do Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte, em parceria com o município de Luiz Alves. A competição teve início dia 23 com a participação de cerca de 700 atletas divididos em  32 equipes, 16 no masculino e 16 no feminino. 

 

O Governo do Estado de Santa Catarina, por meio da Fesporte, entrega na próxima segunda-feira, 28, a ordem de serviço para o projeto de regularização, reforma e ampliação do Ginásio Ivan Rodrigues, na cidade de Joinville. O espaço que já recebeu o Festival de Dança é também um lugar icônico para o esporte de Joinville. Principalmente nas modalidades de Futsal e Basquete, onde foram realizados grandes jogos de Ligas Nacionais, Jogos Abertos e competições estaduais. Além de grandes eventos, a expectativa da Fesporte é entregar o Ivan Rodrigues para projetos sociais e comunitários, promovendo a iniciação esportiva e atividades de lazer. “Os projetos esportivos do Governo do Estado dependem de espaços como o Ivan Rodrigues. Não se faz esporte sem boas instalações. Joinville precisa ter o ginásio de volta. Assumimos este compromisso e estamos dando um importante passo, que é a ordem de serviço para o projeto e a viabilização dos recursos”, destaca Kelvin Soares, Presidente da Fesporte.

O Ginásio, que até 2021 foi administrado pelo Município de Joinvile, passou a ser novamente de responsabilidade do Governo do Estado, que agora irá entregar novamente o espaço para a comunidade esportiva de Joinville. Em Junho deste ano foi publicada a portaria que transfere a administração do Ginásio Ivan Rodrigues para a Fesporte, dentre as novas atribuições que a Fundação vem recebendo do governo. 

A licitação do projeto foi concluída pela Secretaria de Administração do Estado e os recursos são provenientes da Fesporte, que desde o ano passado aplica recursos na ampliação e reforma de espaços esportivos. Serão R$ 109 mil investidos em projetos. Hoje o espaço está interditado e o primeiro passo, que está sendo executado, é a regularização e elaboração de um grande projeto de reforma e ampliação. Os recursos solicitados ao orçamento para a execução da obra são de aproximadamente R$ 15 milhões. O pedido de recursos foi encaminhado ao Governo do Estado, por meio de emenda ao orçamento, proposta pelo Deputado Estadual Fernando Krelling..

A cerimônia está programada para acontecer na Coordenadoria Regional de Educação, em Joinville, nesta segunda-feira (28/11), às 10h da manhã.

 

Pagina 1 de 270