Prado

Uma noite memorável com belas apresentações que tiveram como palco o ginásio municipal Hermes Pierozan em Itá. E assim chegou ao final a etapa Oeste do Festival Escolar Dança Catarina, neste sábado, dia 10. No total 22 escolas se apresentaram na categoria infantil sendo 11 no quesito dança livre e 11 no dança popular.

Na dança livre venceu a Escola Estadual São Tiago, de São Tiago do Sul, com  a coreografia “Escravos da riqueza” que trouxe ao placo uma crítica às pessoas que só pensam em dinheiro sem se preocupar com o próximo ou o bem estar do mundo.

Outra coreografia que foi bastante elogiada foi apresentada pelos alunos da Escola Estadual Arabutã, da cidade do mesmo nome com a dança “Anos 60”, mas a performance ficou com o troféu de vice-campeã da noite.

Fechando o pódio, em terceiro lugar, a Escola Estadual Raul Pompeia, de Campo Erê, trouxe para o palco o espetáculo “Efeméride”.

O grupo escolhido como destaque na dança livre foi o da Escola Estadual Ouro Verde, de Guaraciaba com a coreografia “Mulheres do Sul do Brasil”.

Conhecidos os vencedores foi a fez de mostrarem seus talentos os estudantes que disputaram a competição na dança popular.

Com a coreografia “Liechtenstein: pedras claras” a Escola Estadual Arabutã, de Arabutã, conquistou o primeiro lugar. Em segundo no pódio ficou a Escola Estadual Padre Izidoro Benjamin Moro, de Lindóia do Sul, com a apresentação “Tinku” e em terceiro lugar fechou a Escola Estadual Rodrigues Alves, de Saudades, com a dança “Festas germânicas do Estado de Santa Catarina”.

Os jurados escolheram como destaque da noite na dança popular a coreografia “Carimbó”, da Escola Estadual José Marcolino Eckert, de Pinhalzinho.

Após os grupos se apresentarem, entraram no palco as disputas de dança de salão em que sete casais mostraram seus talentos na valsa, vanerão, forró e samba. O casal Jonathan Basílio e Karolainy Zantta, da Escola Estadual Jucelino Kubitschek, de São Miguel do Oeste, foi o campeão.

Assim como na sexta-feira, na primeira noite da etapa Oeste do Dança Catarina, com bailarinos juvenis, também foram escolhidos os destaques individuais da categoria infantil.

Confira os destaques

Bailarino destaque dança livre

Wagner Piazi – Escola Estadual Hélio Wasun, de Sul Brasil 

Bailarina destaque dança livre

Eduarda Peruza – Escola Estadual São Tiago, de São Tiago do Sul 

Coreógrafo destaque dança livre

Ronny Bee – Escola Estadual Hélio Wasun, de Sul Brasil, com a coreografia “Hair Spray – o sonho continua”

Bailarino destaque dança popular

Anderson Male – Escola Estadual Rodrigues Alves, de Saudades

Bailarina destaque dança popular

Núbia Bruneto -  Escola Estadual Santiago, de Santiago do Sul

Coreógrafo destaque dança popular

Olguim Metz – Escola Estadual Arabutã, de Arabutã, com a coreografia “Liechtenstein: pedras claras”

Bailarino destaque dança de salão

Jonathan Basílio - Escola Estadual Jucelino Kubitschek, de São Miguel do Oeste

Bailarina destaque dança de salão

Shariane Venâncio - Escola Estadual Padre Izidoro Benjamin Moro, de Lindóia do Sul

Coreógrafo destaque dança de salão

José Brisola - Estadual Jucelino Kubitschek, de São Miguel do Oeste

A etapa Oeste do Festival Escolar Dança Catarina começou na sexta-feira, dia 9, com a categoria juvenil. Ao todo cerca de 350 alunos bailarinos de 24 escolas de 18 municípios catarinenses disputaram a competição. Fizeram parte das disputas escolas que congregam as Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) de São Miguel do Oeste, Dionísio Cerqueira, Itapiranga, Palmitos, Maravilha, São Lourenço do Oeste, Quilombo, Xanxerê, Chapecó e Seara.

Itá sediou o segundo evento da etapa regional do festival. O primeiro foi a etapa Leste-Norte realizado nos dias 20 e 21 de outubro em Gaspar. A terceira regional será a Sul em Balneário Camboriú, entre os dias 16 e 17 de novembro, com as disputas entre as escolas das ADRs da Grande Florianópolis, Brusque, Itajaí, Laguna, Tubarão, Criciúma, Braço do Norte e Araranguá.

E por fim a quarta e última regional, a Centro-Oeste,  que será realizada entre os dias 23 e 24 de novembro, em Caçador, envolvendo as escolas das ADRs de Lages, São Joaquim, Campos Novos, Curitibanos, caçador, Joaçaba, Videira, Mafra, Canoinhas e Concórdia.

Em Itá o Festival Escolar Dança Catarina foi uma promoção do Governo Estadual, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Itá. O evento teve o apoio da ADR de Concórdia e a da Unidade de Atendimento de Seara.

Texto: Antonio Prado

Sincronismo, leveza, harmonia e corpos em movimentos conquistaram o público que foi ao ginásio municipal Hermes Pierozan, na noite desta sexta-feira, 9, em Itá, para assistir a primeira noite de apresentações da etapa Oeste do Festival Escolar Dança Catarina na categoria juvenil dança livre. Sete escolas se apresentaram. Mas, quem contagiou a todos com propriedade foi o Senai, de São Miguel do Oeste, o grande campeão da noite com a coreografia “A enxurrada seca”, que mostrou a dura realidade das antigas lavadeiras de roupas. 

Clique aqui e baixe as fotos das apresentações

“É uma honra pisar nesse palco e ser campeã pela primeira vez foi um prazer. Viemos para fazer um trabalho com amor e deu tudo certo”, disse a coreógrafa campeã Adriana Staudt. “Ser campeã é maravilhoso.  O título representa todo o nosso trabalho que vem de meses de preparação”, destacou a bailarina Eduarda Brisola.

A Escola Estadual Rodrigues Alves, de Saudades, ficou com o troféu de vice-campeã com a coreografia “Bullyng” e o IFSC, de São Miguel do Oeste, fechou o pódio em terceiro com a apresentação “Ubuntu: sou quem sou porque somos todos nós juntos”.

As performances dos grupos premiaram os destaques individuais. Confira os premiados.

Bailarino destaque: Vitor Brukman, do IFSC, de São Miguel do Oeste.

Bailarina destaque: Maria Fernanda Hopper, da Escola Estadual Rodrigues Alves, de Saudades.

Coreógrafa destaque: Adriana Staudt, do Senai, de São Miguel do Oeste, com a coreografia “A enxurrada seca”.

Grupo destaque: Escola Estadual Padre Izidoro Benjamin Moro, de Lindoia do Sul, com a coreografia. “Onde canta o sabiá”.

Antes, porém, do início das coreografias, houve a tradicional cerimônia de abertura com a participação de autoridades, entre elas o prefeito de Itá Jairo Sartoretto,  o secretário da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR)  de Concórdia Wágner Luis Bee, além da coordenadora do Dança Catarina Mapi Cravo.

Em seu discurso o prefeito Jairo destacou que todos os participantes sairão vencedores da competição independente do resultado.  Wagner Bee enfatizou que o festival é um celeiro de talentos, aprendizado e integração. Já Mapi Cravo agradeceu a todos os colaboradores pelo empenho principalmente ao integrador educacional Paulo Dalla Valle e aos professores.

Após as apresentações dos grupos o segundo ato da noite teve apresentações de dança de salão também na categoria juvenil em que cinco casais se apresentaram com performance de valsa, vanerão, samba e forró. As danças consagraram o casal Victor Venâncio e Fernanda Lodi, da Escola Estadual Padre Izidoro Benjamin Moro, de Lindoia do Sul.

Para a coordenadora do Festival Dança Catarina, a coreógrafa Mapi Cravo, a primeira noite foi bem positiva. “Tivemos técnica e beleza nas apresentações e os vencedores mereceram o título, mas todos estão de parabéns, pois vimos coreografias de grande beleza”, destacou.

A etapa Oeste do Festival  é uma promoção do Governo de Santa Catarina por meio da Fesporte em parceria com a prefeitura de Itá. O evento tem a participação da ADR de Concórdia e da Unidade de Atendimento de Seara. A competição e  prossegue na noite deste sábado, em Itá, quando finaliza o evento com as apresentações da dança livre e dança de salão na categoria infantil no ginásio municipal Hermes Pierozan.

Texto: Antonio Prado

Começa nesta sexta-feira, 9, em Itá, a etapa Oeste do Festival Escolar Dança Catarina. Estarão no município cerca de 350 alunos bailarinos de 24 escolas de 18 municípios catarinenses que disputarão até este sábado, dia 10, medalhas nas categorias dança livre (mirim, infantil e juvenil), danças populares, dança folclórica infantil, dança de salão infantil e juvenil (que engloba danças contemporâneas, jazz, moderna, urbana, entre outras).

As apresentações ocorrerão no Ginásio Municipal Hermes Pierozan, com a cerimônia de abertura às 18h30 desta sexta-feira.  Fazem parte da regional escolas que congregam as Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) de São Miguel do Oeste, Dionísio Cerqueira, Itapiranga, Palmitos, Maravilha, São Lourenço do Oeste, Quilombo, Xanxerê, Chapecó e Seara. 

Neste sábado, a partir das 10 horas, a organização do Dança Catarina oferece gratuitamente aos educadores da região cursos de dança ministrados pelos jurados do festival. As aulas ocorrerão Ginásio Municipal Hermes Pierozan.

A manhã desta sexta-feira foi reservada para a montagem do palco, ajustes na iluminação e som e no período da tarde houve a passagem de palco pelos participantes. 

O Festival Escolar Dança Catarina é uma promoção do Governo Estadual por meio da Fesporte, com apoio das ADRs.  A etapa Oeste tem a parceria da prefeitura de Itá.

Itá sedia o segundo evento da etapa regional do festival. O primeiro foi a etapa Leste-Norte realizado nos dias 20 e 21 de outubro em Gaspar. A terceira regional será a Sul em Balneário Camboriú, entre os dias 16 e 17 de novembro, com as disputas entre as escolas das ADRs da Grande Florianópolis, Brusque, Itajaí, Laguna, Tubarão, Criciúma, Braço do Norte e Araranguá.

E por fim a quarta e última regional, a Centro-Oeste,  que será realizada entre os dias 23 e 24 de novembro, em Caçador, envolvendo as escolas das ADRs de Lages, São Joaquim, Campos Novos, Curitibanos, caçador, Joaçaba, Videira, Mafra, Canoinhas e Concórdia.

Participam da etapa regional as escolas campeãs e vices da fase microrregional de sua região. Em 2018 foram realizadas 20 etapas classificatórias microrregionais com início dia 31 de agosto com a microrregional de Laguna. 

Texto: Antonio Prado              

 

A delegação de Santa Catarina está de malas prontas rumo a Natal, no Rio Grande do Norte, onde participará, de 12 a 25 de novembro, dos tradicionais Jogos Escolares da Juventude (JEJs). Organizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), os jogos mudarão de formato e serão organizados em uma só sede para estudantes de 12 a 14 anos e 15 a 17 anos. Nas edições anteriores havia dois JEJs para idades específicas e em sedes diferentes. 

Segundo o COB a mudança visou diminuir gastos com evento. Para esta etapa nacional,  em Natal, os estados que não ficaram nas primeiras colocações em 2017 tiveram que passar pelas etapas classificatórias regionais, outra mudança adotada pelo COB neste ano.

A delegação de Santa Catarina que viaja para Natal, a partir de segunda-feira dia 12, será composta por 266 atletas oriundos de 138 escolas de 48 municípios, perfazendo um total de 305 pessoas, incluindo técnicos e dirigentes.

Nesta primeira viagem embarcarão atletas do ciclismo, ginástica rítmica, natação, tênis de mesa, vôlei de praia e xadrez. Já no dia 16 de novembro será a vez do atletismo, badminton, voleibol e futsal. E no dia 21 embarca o último grupo formado pelos times de basquete, handebol, judô e luta olímpica.

A expectativa é que Santa Catarina faça um bonito papel na competição rivalizando como estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Paraná. “Nas últimas edições dos JEJs Santa Catarina conquistou entre 32 a 47 medalhas e acreditamos que podemos continuar neste patamar”,  diz com confiança Josélia Teixeira, gerente de esporte de base e inclusão da Fesporte e chefe da delegação catarinense em Natal.

“As competições escolares da Fesporte, contemplam, em todas as suas etapas, da microrregional até a estadual, aproximadamente 674 mil alunos. E a maioria dos atletas que irão para Natal são os campeões dos nossos Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc), ou seja, representarão nosso estado atletas de qualidade, por isso acredito que faremos uma ótima competição”, destaca a professora Natália Lúcia Petry, presidente de Fesporte.

A delegação de Santa Catarina, em Natal, será gerenciada pelo Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte.

Texto: Antonio Prado

 

ARTIGO

Profª Natália Lúcia Petry, presidente da Fesporte

Dimensionar a importância do esporte escolar na vida de nossos estudantes sugere uma ampla análise que passa, fundamentalmente, pela prevenção à saúde que queremos para o futuro das próximas gerações. E é na escola que nasce a cultura esportiva que, em resumo, almejamos com o reflexo direto na qualidade de vida daqueles que estão e ainda desembarcarão nesse mundo. 

O papel do Estado na adoção de políticas públicas que possam resguardar nossos jovens de eventuais descaminhos surge como instrumento fundamental nesse processo. Soma-se a isso, a importância da valorização e capacitação do profissional de Educação Física. É pela sua intervenção, de forma lúdica ou participativa, que alimentamos o elo do desejo em ver o esporte na escola cada vez mais em evidência.

Enquanto gestores públicos e com as condições que nos são oferecidas pelo governo de Santa Catarina, a Fundação Catarinense de Esporte, a Fesporte, muito se orgulha em contribuir com significativa parcela para suprir essa vacância que notadamente vivenciamos, mas que através da união de forças temos tudo para superar. 

Já avançamos muito a ponto de sermos considerados referência nacional na promoção e realização de eventos destinados aos nossos escolares. A Fesporte, pela sua organização e participação de técnicos e profissionais da área que a dirigem, além da relevante parceria dos municípios fazem contemplar o seu calendário anual com uma série de eventos no segmento.

Os escolares promovidos pela Fesporte compreendem a participação de aproximadamente 674 mil alunos. Nesse universo, estão todas as fases dos Jogos Escolares (JESC) nas faixas dos 12 a 14 e 15 a 17 anos. Trata-se da competição classificatória à disputa Nacional, que este ano acontece em Natal-RN e lá estaremos representados por aproximadamente 300 atletas. 

O Campeonato Escolar de Futebol Moleque Bom de Bola, o Festival Escolar Dança Catarina, os Jogos Escolares Paradesportivos, que incluem alunos especiais na faixa dos 12 aos 17 anos, nos dois gêneros e ainda a Olimpíada Estudantil de Santa Catarina (OLESC), competição entre municípios, mas que tem no seu bojo a matrícula como obrigatoriedade na participação, estão entre as referências de prática esportiva escolar nos diferentes níveis estudantis. 

O esporte escolar traz vivência, fortalece o desenvolvimento da capacidade psicomotora e amplia os laços de cidadania e socialização dos jovens que nele estão incluídos. Em resumo: o esporte escolar é a base de tudo. Nele estamos a construir um alicerce, oxalá, para um futuro promissor no segmento esportivo, mas principalmente para uma geração saudável e produtiva.

Depois de cinco dias de competição, finalmente chegou o grande dia das finais da etapa estadual da 27ª edição do Campeonato Catarinense Escolar de Futebol – Moleque Bom de Bola, neste domingo, 4, em Quilombo, no campo da SER Quilombo . Depois de dias de intensas chuvas na cidade até o sol deu o ar de sua graça dando boas vindas aos atletas.

E foram os raios solares que emolduram os títulos  da Escola Estadual Vidal Ramos, de Concórdia, no feminino, e o Centro Educacional Recriarte, de Camboriú, no masculino.

A final feminina foi o primeiro ato do dia entre a Escola Estadual Vidal Ramos, de Concórdia,  que era a atual campeã da competição, e a Escola Municipal Padre Mathias Maria Stein, de Guaramirim. Já a final entre os homens teve o confronto entre Recriarte e o Colégio São Bento, de Criciúma.

Final feminina

Nos primeiros minutos os dois times se estudaram e o jogo ficou concentrado no meio de campo. Até que aos 22 minutos de partida, no tempo de 24, Mayara, da Escola Estadual Vidal Ramos, escapou em um rápido ataque e sofreu pênalti. Na cobrança Mocelin, que foi escolhida a destaque do jogo, fez 1 a 0 para Concórdia, placar final do primeiro tempo.

Já na segunda etapa do jogo as meninas de Guaramirim partiram para cima tentando empatar, mas quem marcou mais uma vez foi a Escola Vidal Ramos, novamente com Mocelin, que aproveitou uma falha da zaga para marcar: 2 a 0. Com este placar a escola se sagrou bicampeã do Moleque Bom de Bola com seis vitórias em seis jogos.

Para artilheira da final, Mocelin, o título foi algo inacreditável. “E o meu primeiro Moleque, ganhei também os Jesc recentemente então foi um ano muito bom pra mim”, finalizou a campeã.

Ainda no feminino a Escola Estadual Lourdes Lago, de Chapecó, ficou com o terceiro lugar ao vencer por 2 a 0 a equipe do CIEF de Iporã do Oeste.

Final masculina

A final masculina entre o Centro Educacional Recriarte, de Camboriú, e o Colégio São Bento, de Criciúma, foi mais movimentada. Mas quem abriu o placar foi o Recriarte com Gustavo Silva, depois de aproveitar um contra-ataque.

Após o gol os meninos de Camboriú cresceram na partida e passaram a levar vantagem nas jogadas perdendo boas oportunidades de ampliar o placar.  Isso só não aconteceu devido as boas defesas do goleiro Mateus, de Criciúma, que foi escolhido o destaque do jogo. O primeiro tempo terminou 1 a 0.

Colégio Recriarte, de Camboriú, conquistou o quinto título na competição (Foto: Antonio Prado)

Na segunda etapa o Recriarte conseguiu boas chances de ampliar o placar, mas o goleiro Mateus evitou vários gols. Mas no fim do jogo ele não conseguiu evitar o segundo gol de Gustavo Silva, que ampliou: Recriarte 2 a 0 e campeão do Moleque Bom de Bola 2018, o quinto da história, pois já havia sido campeão em 2011, 2012, 2014 e 2015.

Para o autor do gol do título, Gustavo Silva, a conquista foi importante. “Viajamos 12 quilômetros  de Camboriú até aqui, mas esse esforço valeu, pois fiz 11 gols na competição e ofereço este título aos meus familiares que, assim como eu, são de Teresina, no Piaui”.

A etapa estadual do Moleque Bom de Bola teve início dia 31 de outubro com a participação de 32 equipes e 576 atletas no masculino e feminino. Este ano, desde as fases microrregionais, a competição alcançou cerca de 53 mil estudantes inscritos de cerca 900 escolas catarinenses. O evento é uma promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Quilombo e Instituto Bom de Bola.

Texto: Antonio Prado

Pagina 1 de 179