Sexta, 21 Junho 2019 15:18

Douglas Tumelero: a visão em dois planos nas quadras Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(1 Voto)
Douglas Tumeleiro já atuou como atleta de futsal nos Jesc e hoje é árbitro da modalidade Douglas Tumeleiro já atuou como atleta de futsal nos Jesc e hoje é árbitro da modalidade Foto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Ele já vivenciou o lado atleta nos eventos de base da Fesporte, como os Jogos Escolares (Jesc), os Joguinhos Abertos e o Moleque Bom de Bola. Atualmente, Douglas Fernando Tumelero o outro lado das competições: o do apito.

Bacharel, licenciado e pós-graduado em Educação Física, Douglas Tumelero tem-se dedicado à arbitragem de futsal, futebol e badminton, além de atuar como treinador em uma academia de sua cidade: Quilombo. Com 35 anos, Douglas está há cinco na arbitragem. Antes disso, jogava futebol e futsal. Começou numa escolinha entre os sete e oito anos de idade e jogou até os 25.

Foi pela Escola Professora Jurema Savi Milanez, nos anos 90, de Quilombo, que participou de eventos como os Jesc, ainda na antiga formação, sem versões por faixa etária, e do Moleque Bom de Bola, do qual foi vice-campeão, jogando em casa. Além disso, também representou o município nos Joguinhos Abertos de Santa Catarina.

E foi justamente em Quilombo, numa etapa microrregional dos Jesc 12-14 que ele teve sua primeira atuação como árbitro, nervoso e preocupado em ter uma boa experiência e fazer boa arbitragem. Hoje se diz muito tranquilo nas atuações, sobretudo na relação com os atletas, o que ele atribui ao fato de também ter sido atleta e compreender o momento.

Para Douglas, é importante que o jogador tenha noção da visão da arbitragem. “Eventos como os Jesc, além de ajudar na educação dos atletas permite que eles tenham compreensão das regras esportivas e adequação a elas. Isso é importante para uma carreira mais sólida e duradoura”, destacou ele.

Douglas Tunelero em jogo dos Jesc 2019, em São Miguel do Oeste, posando ao lado da parceira Roseliane de Souza, entre atletas da Escola Guilherme Dauri, de Salete (E), e do Colégio Evangélico Jaraguá, de Jaraguá do Sul (D) (Foto: Luciano Heck)

Douglas tem como meta ainda chegar a árbitro nacional. Para isso, procura atuar bem para ser visto e valorizado. Casado e pai de uma filha, ele diz que uma das maiores dificuldades é abrir mão do convívio da família, principalmente aos fins de semana, em função dos eventos esportivos.

Sobre um dos assuntos da atualidade esportiva, o uso do VAR (video assistant referee ou árbitro assistente de vídeo), ele diz que precisa evoluir bastante, mas está no caminho para deixar o futebol mais justo e defende que futuramente possa ser também aplicado ao futsal.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Lido 1208 vezes Última modificação em Sexta, 28 Junho 2019 15:33

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.