×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 317

Sexta, 02 Agosto 2013 00:00

Amor ao esporte supera limitações

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Nildiomar perdeu um pé em um acidente de trabalho e achou no tênis um incentivo para seguir em frente Nildiomar perdeu um pé em um acidente de trabalho e achou no tênis um incentivo para seguir em frente Antonio Prado

Itajaí - São 416 paratletas de 59 municípios e 215 escolas disputando até domingo (4) as modalidades de atletismo, bocha, futebol sete, goaball, natação, tênis de cadeira de rodas, tênis de mesa e vôlei sentado nos Jogos Escolares Paradesportivos de Santa Catarina (Parajesc). Se a medalha de ouro caberá a poucos, pode-se se dizer que um sentimento é comum a todos os participantes: o amor ao esporte que foi capaz de superar as limitações físicas. Nildiomar César da Silva, de 17 anos, atleta de tênis em cadeira de rodas de Itajaí, é um deles. Há um ano e meio perdeu o pé direito quando trabalhava em uma fábrica de pescado. “Era funcionário do almoxarifado e me colocaram no setor de trituração de gelo. Um dia meu pé escorregou na rosca de gelo e perdi meu pé”, recorda. Em Itajaí, disputando os Parajesc pela primeira vez, Nildiomar vê no esporte o ingrediente que faltava para continuar a ser feliz.

Ele informa que logo após o acidente procurou o esporte para continuar a dar sentido à vida. Primeiro tentou natação, depois descobriu o tênis por intermédio da professora Marisa Ferreira, que hoje é sua técnica. “Me apaixonei pelo esporte e é isso que quero”, garante. Os Parajesc reservam três vagas do tênis em cadeira de rodas à etapa nacional da competição, a ser realizada no final do ano, em São Paulo, e como Itajaí foi a única equipe a se inscrever na modalidade, Nildiomar está garantido.

Grande desafio

 

“Será um grande desafio”, acredita o itajaiense, que está somente há um mês na modalidade e é estudante da 8ª série da Educação de Jovens Adultos da Escola Estadual Pedro Paulo Felipe. “A grande dificuldade é se adaptar à cadeira, já que ele não é um cadeirante. Mas, levando em consideração que está apenas há 30 dias neste esporte, vejo nele uma grande evolução”, prega a técnica Marisa Ferreira, que além do pupilo, treina também Luis Henrique Meriz (Escola Municipal Pedro Rizz) e Jucélio Torquatto (Escola Municipal Juditte Duarte de Oliveira).

 

Outra que tem um amor especial pelo esporte é Amanda Tabacki Alberton, de 18 anos, de São José. Atleta do tênis de mesa e com síndrome de down, ela participa da competição entre os deficientes intelectuais. “Ganhei a primeira partida e acho que estou melhor do que o ano passado, quando fui muito mal”, diz a estudante da 7ª série do Centro Educacional Interativo Floresta.

Amanda diz que os Parajesc foram importantes para ela aprender mais sobre o tênis de mesa. “Aqui aprendo a jogar, vejo pessoas, conheço amigos e estou procurando até um namorado”, diz, rindo. O técnico dela, Jorge Ricardo Flor, crê que o esporte tem ajudado Amanda. “Percebemos até que a comunicação dela melhorou. Ela já articula melhor as palavras, conversa com novas pessoas e isso é o lado social que o esporte proporciona”, finaliza Jorge. Os Parajesc são uma promoção Governo de Santa Catarina por meio da Fesporte em parceria com a prefeitura de Itajaí e secretarias de desenvolvimento regional.

 

Informações adicionais

Antonio Prado

 

(48) 9696-3045

Lido 2650 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.