Sábado, 09 Maio 2020 21:32

Mães atletas: vivendo entre o esporte e a maternidade Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(1 Voto)
Tayra de Lima, velocista do atletismo tubaronense, com o filho Otto Júnior Tayra de Lima, velocista do atletismo tubaronense, com o filho Otto Júnior Foto: Arquivo pessoal

Mãe atleta: a história de quatro mulheres que conciliam a vida esportiva com a maternidade

Por Kamila Melo

O esporte carrega histórias de superação, de paixão e de conquista. Ao longo da carreira esportiva, o atleta precisa encarar diversos desafios – que podem ou não ser previstos. Diante do inesperado, existe foco, treinamento e, sobretudo, amor pela modalidade. Mas, há uma experiência que só as atletas mulheres passam: a maternidade. Para quem faz parte do alto rendimento, buscar o limite físico é o foco diário e, com um bebê no ventre, as metas mudam. É hora de desacelerar. Como mãe de primeira viagem, a carateca Márcia Marcos aprendeu essa lição logo nas primeiras semanas da gestação. “Fui jogar taco na praia e senti muita dor. Fui para o hospital e foi quase um aborto”, relembra.

Depois do episódio, a atleta pouco se jogou para outras aventuras, no entanto, não deixou o exercício físico de lado e continuou nos tatames. “Fazia golpes sem ficar pulando, aquele saltitar necessário no kumite”, descreve. Até que chegou o momento de Nícolas de Souza dar o primeiro suspiro. Como o parto foi normal, aos quatro meses de vida, o pequeno já assistia na torcida a mãe com o quimono branco competindo os Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc). E que alegria ver que o filho herdou da família o talento para o esporte. Seguindo os “golpes” dos pais, hoje, pai, mãe e filho representam Tubarão em diversas competições nacionais e internacionais.

E não é preciso ir muito longe da Cidade Azul para encontrar outras “super” mamães. Na Arena Multiuso, fim de 2019, quando o futsal feminino tubaronense conquistou o campeonato da Associação Desportiva do Sul de Santa Catarina (Adesc), a jogadora Juliane Vieira se destacou. Não só pelas habilidades. Na hora de receber a premiação, enquanto a taça estava na mão direita, no colo da esquerda, havia outro prêmio daquele ano: o filho Vinícius Wernke. Com um sorriso no rosto, a atleta tem orgulho pela trajetória que traça dia após dia. “Ser mãe atleta é ter a sensação de superação sempre. Não é fácil ser atleta mulher e ainda mãe. Mas, quando a gente ama o esporte nós damos um jeito”, ensina.

Ju já era atleta antes de dar à luz o pequeno, que hoje tem 1 aninho. Mesmo com o apoio da família para cuidar do bebê, ela revela o preconceito mascarado que ainda permeia na sociedade. “Além de ser boa mãe, tem que ser boa profissional, esposa. Mesmo dando conta de tudo, as pessoas falam: ‘você não faz mais do que sua obrigação’”, relata. Segundo o estudo gringo “Beyond 30 per cent: Workplace Culture in Sport”, da tradução "Além dos 30%: A cultura do local de trabalho no esporte", em torno de 40% das mulheres na indústria do esporte já sofreram algum tipo de discriminação de gênero. Por isso, a jogadora deixa um lembrete para as atletas que sentem medo em ser mãe: “sigam seus sonhos de serem mamães, o amor por um filho é algo inexplicável e com força de vontade, você volta ao ritmo da prática de atividade física e concilia com uma das maiores dádivas da vida: ser mãe”.

Jogadora Juliane Vieira e seu filho Vinícius Wernke                                                                                              Foto: Kamila Melo/Decom

De campeã dos 100 metros rasos para outra vitória: ser mãe

Quando reportamos o medo de ficar grávida durante a carreira esportiva, há outro questionamento: existe idade para ser mãe? É uma pergunta que envolve questões culturais e não cabe a ninguém julgar qual o momento certo de gerar uma vida. É o que diz Tayra de Lima, velocista do atletismo tubaronense que teve seu primeiro filho aos 20 anos de idade. Se em 2018 o sorriso era de ser campeã dos 100 e 200 metros dos Joguinhos Abertos, em 2019 poderia comemorar com alegria a vinda de Otto Junior. “Foi uma felicidade total. Antes de ser atleta meu sonho era ser mãe. Foi o que eu escolhi pra mim. Saberia que seria forte o suficiente para conciliar a maternidade com o esporte naquele momento, por que eu estava pronta pra viver isso”, completa.

Hoje, Otto tem 7 meses de vida e Tayra já conseguiu voltar aos treinos normalmente. “Por enquanto está sendo tranquilo, pois no período que treino ele fica com o pai. Assim consigo treinar tranquila. Com certeza é bem cansativo, mas tá sendo incrível viver essa nova fase”, afirma a atleta. Ela não pretende trabalhar no momento, quer se dedicar somente ao pequeno e ao atletismo, pois consegue se manter em boas condições com o apoio da Prefeitura de Tubarão, por meio da Fundação Municipal de Esporte, com o Bolsa-Atleta.

Ser mãe paratleta

O paradesporto também ganha vez no Dia das Mães. Diferente das demais, Rosane Floriano começou no esporte de alto rendimento mais tarde, com 40 anos de idade, e foi um salto para sua vida. Dos 100 metros aos 21 quilômetros, ela não pensa em largar as corridas tão cedo, mas demorou para encará-las. É aí que o filho Raul Floriano ganha destaque, atleta de natação em Tubarão. Quando a mãe o levava todos os dias para treinar no Clube 29, costumava relatar diversas vezes sobre a vontade em começar a correr. Foi assim durante um ano. Até o dia que o filho resolveu motivá-la. “Nunca esqueço. Ele fez várias perguntas, um verdadeiro “chacoalhão”. Então eu resolvi agir”, conta a paratleta, que tem um braço amputado desde criança, após o bercinho ter pegado fogo.

Agora, graças ao filho, ela é exemplo de superação para muitos. Só em 2019, foi campeã dos 100, 200 e 400 metros no atletismo dos Jogos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc). Além de Raul, que tem 17 anos, ela também é mãe do Arthur, de 22 anos. “Talvez eu não tenha procurado um esporte mais cedo, por ter que cuidar deles”, declara. Quando perguntada sobre como é ser mãe paratleta, ela não hesita em falar. “Eu tenho minha deficiência, mas sempre consegui me virar sozinha. Hoje sendo mãe e paratleta, sinto que eles têm orgulho de mim”, finaliza.

Lido 409 vezes Última modificação em Sábado, 09 Maio 2020 22:30

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.