Publicado em Parajasc
Escrito por

Risos e lágrimas estampam o pódio do atletismo

Treze provas movimentaram a terça-feira (15), primeiro dia do atletismo, nos segmentos de deficiências auditiva (DA) e intelectual (DI), dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina, os Parajasc, na pista municipal de Caçador. 

Um dos destaques do dia foi a colecionadora de medalhas Cláudia Inocente, a Cuca, que levou mais duas para as mais de 200 que já obteve com a prática de esporte. Cuca foi bronze nos 400 metros rasos e ouro na nos 1.500 metros, somando agora 13 medalhas só nas provas de pistas dos Parajasc.

“Estou feliz por ter conseguido fazer as provas de 400 e 1.500. Treinei duas vezes por semana e consegui fazer um bom resultado nos 1.500, e ganhei um ouro. Nos 400, infelizmente fiquei em terceiro. Meu objetivo era chegar em segundo ou primeiro, mas havia umas meninas mais competitivas. Só preciso treinar mais para os 400. Mas estou feliz sim, porque foi uma competição bem legal”, avaliou Cláudia.

                                                       Assista a emoção de Priscila no pódio ao vencer os 100m T21

A atleta de 40 anos, que cursa a sexta fase de Educação Física em Chapecó, sua cidade natal, sonha em ser professora e ajudar pessoas com deficiência física. “Os Parajasc permitem me valorizar e mostrar o quanto posso vencer. É importante não desistir dos sonhos e alcançar os objetivos. Vale a pena”, disse ela.

O choro da vitória em homenagem a mãe

O momento mais emocionante, contudo, no primeiro dia de atletismo foi o choro da atleta Priscila Manoela Becker, de 20 anos, da cidade de São Bento do Sul. Ela foi primeira colocada na prova de 100 metros rasos para portadores de Síndrome de Down. Chorando, ela dedicou a medalha à mãe, Solange. A princípio uma homenagem comum, até que o técnico Luís Cláudio Ramalho esclareceu que a mãe havia falecido.

“Eu estou feliz. O meu pai está orgulhoso e muito feliz. Ofereço a medalha à minha mãe, porque eu amo muito ela, demais!”, disse Priscila. “A emoção é pelo fato de elas estarem treinando, se dedicando. Vale todo o sacrifício. Contagia todo mundo. Isso não tem preço que pague”, destacou Ramalho.

 

De olho na programação

Além do atletismo, a programação do dia também teve bocha rafa vollo (DA, DF e DV), basquete (DI), futsal (DA e DI) e handebol em cadeira de rodas. Os resultados e programação podem ser acompanhados pelos boletins diários publicados no site oficial da Fesporte (clique aqui para acessar).

Na quarta (16) as competições nos segmentos DI e DA prosseguem em mais uma etapa, isso pela manhã, porque à tarde já acontece a primeira etapa para deficientes físicos (DF) e visuais (DV). Outras modalidades também iniciam: o basquete em cadeira de rodas, a bocha paralímpica, a bocha rafa vollo (DV) e o golbol.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Contexto histórico do deficiente é tema de abertura nos Parajasc

A abertura oficial da 15ª edição dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina, os Parajasc, na noite de segunda-feira (14), no ginásio da escola Paulo Schieffler, em Caçador, foi marcada por um emocionante espetáculo, que levou ao público a análise do comportamento humano diante das diferenças, em especial quanto à necessidade de inclusão do portador de deficiência à sociedade. 

A obra, organizada pela Apae de Caçador, foi composta por dançarinos e cantores com deficiência, além de pais e professores, como propósito de expressar história das ações e pensamentos que nortearam a vida das pessoas deficientes, desde os tempos primitivos até os dias atuais. Foi elaborada pelas professoras Marisa Von Hede e Vanda Bazeggio, com a colaboração de Rodrigo Schapieski e João Paulo Almeida, da Cia de Artes Vento Negro.

Assista aos melhores momentos da cerimônia

O presidente da Fesporte, Rui Godinho, falou da emoção proporcionada pela apresentação cultural da abertura e pelo perfil de um evento como os Parajasc, que o torna muito especial. “Estamos buscando fazer tudo que for possível para melhorar os jogos para vocês”, disse ele, destacando ações como o braile nas medalhas e o pódio adaptado.

O prefeito de Caçador, Saulo Sperotto, destacou a importância de voltar a sediar os Parajesc, evento que já havia sido sediado pelo município em 2009. “Devemos parar e refletir e ver o quanto essas pessoas se esforçam para ser melhores, ou para fazerem que nós sejamos melhores. Não elas. Elas já são as melhores. Elas São especiais”, disse Sperotto. 

O fogo simbólico foi conduzido pelo atleta Jucemar Roberval Cardoso Júnior, seis vezes campeão futsal para deficientes intelectuais nos Parajasc. O juramento foi proferido por Antônio Ozair Gonçalves dos Santos,o Totonho,  atleta cadeirante, participante de todas as edições do evento na modalidade de bocha rafa vollo.

Jucemar Cardoso Jr., atleta de futsal, fez o acendimento da pira                                                                                                               Foto: Heron Queiroz

As competições seguem até o dia 19 envolvendo cerca de 2 mil atletas de 71 municípios em onze modalidades, nos segmentos de deficiências auditiva (DA), física (DF), intelectual (DI) e visual (DV). Cinco modalidades já iniciam nesta terça (15): atletismo (DA e DI), bocha rafa vollo (DA, DF e DI), futsal (DA e DI) e handebol em cadeira de rodas.

Os boletins serão publicados no site da Fesporte, ao fim de cada dia de competição, com toda a programação e resultados (clique aqui para acessar) Os Parajasc são promovidos pelo Governo do Estado – @governosc – e realizados por intermédio da Fesporte, em parceria com o Município de Caçador.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

 

Publicado em Parajasc
Escrito por

Classificações funcionais iniciam atividades dos Parajasc

Tudo pronto para a abertura da 15ª edição dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina, os Parajasc, que acontece na noite desta segunda-feira, em Caçador. Mas as atividades já de organização do evento já começaram. Além do ensaio para a cerimônia, o dia é de bastante trabalho, principalmente para os classificadores funcionais. Esta é uma função de elevada importância para a estrutura competitiva de qualquer evento paradesportivo. Oito classificadores estão atuando nos Parajasc, quatro de Santa Catarina e outros quatro encaminhados pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Compõem a grade de competições dos Parajasc 12 modalidades esportivas adaptadas, envolvendo cerca de 2 mil atletas com deficiência auditiva (DA), física (DF), visual (DV) ou intelectual (DI). Não bastam, contudo, essas divisões para estabelecer as partidas e provas paradesportivas. Caca competição é dividida pelo grau de cada atleta, grau este que estabelece a classe em que o atleta irá competir. Para isso, a organização do evento conta com classificadores funcionais. São profissionais da área da Educação Física, da Fisioterapia ou da Medicina, com curso especializado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro.

Fazem parte da programação dos Parajasc o atletismo, tênis de mesa, xadrez, futsal, ciclismo, golbol, handebol em cadeira de rodas, xadrez, basquete, basquete para cadeirantes, bocha e bocha paralímpica, além da natação, que aconteceu antecipadamente no município de Indaial. Para cada modalidade há especificidades para a classificação funcional baseadas nas habilidades funcionais, identificando as áreas chaves que afetam o desempenho do atleta para a performance básica do esporte escolhido.

A CF constitui-se em uma forma de nivelamento entre os aspectos da capacidade física e competitiva, colocando as deficiências semelhantes em um grupo determinado de atletas. Isso permite oportunizar a competição entre indivíduos com vários graus de deficiência, pois o sistema de classificação eficiente é o pré-requisito para uma competição mais equiparada.

Cada esporte tem um próprio sistema de classificação funcional do atleta, realizado através de três avaliações. Primeiro, é feito um exame físico para verificar exatamente de qual patologia o competidor sofre. Depois, na avaliação funcional, são realizados testes de força muscular, amplitude de movimento articular, medição de membros e coordenação motora. A última etapa é o exame técnico, que consiste na demonstração da prova em si, com o atleta usando as adaptações necessárias. São observadas a realização do movimento, a técnica utilizada, assim como as próteses.

                                    Organização do evento fez ensaio para a abertura oficial nesta segunda             Imagens: Antonio Prado

Avaliadores do Comitê Paralímpico Brasileiro

A habilidade funcional necessária independe do nível de habilidade ou treinamento adquirido. Um atleta que compete em mais de um esporte recebe uma classificação diferenciada para cada modalidade.

As deficiências correspondentes às modalidade são representadas por siglas, oficializadas pelo Comitê Paralímpico Internacional e fazem sempre referência ao nome da modalidade ou da deficiência em inglês, e os números indicam o grau de comprometimento de acordo com a lesão.

Atletismo

A letra “F” (de field, em inglês) é utilizada para provas de campo, como arremesso, lançamentos e saltos.

 A letra “T” (de track, em inglês) é utilizada para corridas de velocidade e fundo. Entenda a numeração:

 De 11 a 13: deficientes visuais.

20: deficientes intelectuais.

21: Síndrome de Down.

22: Deficiência Auditiva (Surdos)

31 a 38: paralisados cerebrais (31 a 34 para cadeirantes).

40: anões• 41 a 46: amputados e outros.

51 a 58: competem em cadeiras (sequelas de poliomielite, lesão medular e amputação).

Basquete em cadeira de rodas

Os atletas recebem uma classificação funcional que varia de 1 a 4,5 pontos, de acordo com o comprometimento motor: quanto menor o comprometimento do atleta, maior a pontuação. Durante o jogo, a soma total dos cinco jogadores não pode ultrapassar os 14 pontos.

Bocha

BC1: atletas com paralisia cerebral que conseguem arremessar a bola. Podem ter auxílio para estabilizar a cadeira e receber a bola.

BC2: atletas com paralisia cerebral com mais facilidade para arremessar a bola do que os da classe BC1. Não há assistência.

BC3: atletas com paralisia cerebral que não conseguem arremessar sozinhos e utilizam uma rampa (CALHA)  para isso.

BC4: atletas com outras deficiências severas com dificuldade para arremessar.

Quanto menor o número, maior a limitação do competidor.

Ciclismo

B: atletas com deficiência visual que competem no tandem (bicicleta com dois assentos) com um ciclista sem deficiência no banco da frente.

H1-H4: atletas paraplégicos que utilizam a handbike (bicicleta especial em que o impulso é dado com as mãos).

T1-T2: atletas com deficiência que tenham o equilíbrio afetado e precisem competir usando um triciclo.

C1-C5: atletas com deficiência que afeta pernas, braços e/ou tronco, mas que competem usando uma bicicleta padrão.

Golbol

Todos os atletas usam vendas para que haja igualdade de condições.

 B1: cego total: nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos ou percepção de luz, mas com incapacidade de reconhecer formatos a qualquer distância ou em qualquer direção.

B2: atletas com percepção de vultos.

B3: atletas que conseguem definir imagens.

Natação

A letra “S” antes da classe representa provas de estilo livre, costas e borboleta. As letras “SB” refere-se ao nado peito, enquanto “SM” indica eventos medley individuais. Como o nado peito exige maior impulsão com a perna, é comum que o atleta esteja em uma classe diferente neste estilo em relação aos outros. O mesmo acontecer com as provas medley. Quanto menor o número, maior a deficiência.

Classificação de 1 a 10 define o grau de deficiência física.

Classificação de 11 a 13 define o grau de deficiência visual.

Os da classe 11 têm pouca ou nenhuma visão.

Classificação 14 define atletas com deficiências intelectuais

Tênis de mesa

Há 11 classes no tênis de mesa. Quanto maior o número, menor o comprometimento físico-motor.

TT1, TT2, TT3, TT4 e TT5 - atletas cadeirantes

TT6, TT7, TT8, TT9, TT10 - atletas andantes

TT11 - atletas andantes com deficiência intelectual

Tênis em cadeira de rodas

Classe aberta: atletas com deficiência para se locomover (medula ou amputação), mas sem comprometimento de braços e mãos.

Classe “quad”: atletas com deficiências que afetem, além das pernas, o movimento dos braços, dificultando o domínio da raquete e da movimentação da cadeira de rodas. Nesta classe, homens e mulheres podem competir juntos.

Handebol em cadeira de rodas

A proposta do handebol adaptado em cadeiras de rodas é parecida com a modalidade do handebol tradicional de salão, sua maior diferença está na redução da trave para 1,60m, por meio da colocação de uma espécie de placa 48 cm que possibilita a defesa do goleiro. Os quesitos de classificação são os mesmos do basquete em cadeira de rodas.

Xadrez

Para deficientes visuais, as peças do xadrez possuem um pino de fixação embaixo e as pretas têm alguma característica que pode ser uma ranhura ou um preguinho sobre elas, para que elas possam ser diferenciadas das brancas, com o tato. 

O tabuleiro possui 8 linhas e 8 colunas, formando assim 64 casas de cores alternadas, 32 brancas e 32 pretas. No tabuleiro adaptado as casas pretas são mais elevadas que as brancas e todas possuem um orifício para que a peça seja fixada. Usa-se a anotação algébrica das casas para sua identificação.

As colunas representadas pelas letras de A até H e as linhas de 1 a 8, ou seja, vai de A1 A H8. Para facilitar o entendimento da pronuncia da casa é utilizado nomes próprios para cada letra: A, Ana; B, Bela; C, César; D, David; E Eva; F, Félix; G, Gustav; H, Hector.

Além de atletas com deficiência visual o xadrez é oferecido nos Parajasc aos participantes com deficiência física e auditiva.

Fesporte promove cursos para ampliar o quadro de classificadores e árbitros do paradesporto

A Fesporte, em parceria com o CPB, está organizando, para 2020, uma série de cursos visando à ampliação do quadro de classificadores funcionais e árbitros do paradesporto. Serão doze eventos que acontecerão no decorrer do próximo ano, nas regiões do estado, com datas e locais a serem ainda definidos. Os cursos também são voltados às pessoas, que desejam aprender a lidar, no dia a dia, com pessoas portadoras de deficiência.

Texto: Antônio Prado e Heron Queiroz

 

Publicado em Parajasc
Escrito por

Parajasc terá curso de arbitragem de bocha paralímpica

A 15ª edição dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc), que será realizada de 14 a 19 de outubro em Caçador, terá uma novidade. Paralelamente às competições será oferecido um curso de arbitragem de bocha paralímpica, organizado pela Fesporte e o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

O curso acontece de 15 a 18 de outubro, na Escola Dom Orlando Dotti, mesmo local onde estará instalada a Comissão Central Organizadora (CCO), em Caçador. Na programação, o primeiro dia é de aula teórica, e os três dias seguintes, de aulas práticas, aproveitando a competição para acompanhamento.

Segundo o gerente de participação, Luiz Fernando Bezerra, o curso é aberto não somente a interessados em formação de árbitro. "A bocha paralímpica é uma modalidade ainda bastante recente em Santa Catarina. O curso permite não apenas ampliar o quadro de árbitros da modalidade no estado, como também difundir uma modalidade essencialmente destinada aos portadores de paralisia cerebral (PC), além de dar noções do convívio e do trato às pessoas portadoras de PC", disse Bezerra.

As inscrições podem ser feitas antecipadamente ou no primeiro dia de curso. Basta, para isso, encaminhar nome completo, RG, CPF e número do celular para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. Os Parajasc são promovidos pelo Governo de Santa Catarina – @governosc – e realizados por intermédio da Fesporte. A edição de 2019 tem como parceiro o Município de Caçador.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Fesporte e Caçador assinam convênio dos Parajasc

O prefeito de Caçador, Saulo Sperotto, esteve na sede da Fesporte na tarde desta quarta-feira para assinatura do convênio para a realização da 15ª edição dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina, os Parajasc. Estavam presentes ao ato o diretor de administração, Fabrício Correa, que assume interinamente a presidência da Fesporte, e o gerente de participação, Luiz Fernando Bezerra. 

A abertura oficial do evento acontece na segunda-feira (14), às 19 horas, no ginásio de esporte da Escola Paulo Schieffler. No mesmo dia, acontecem as classificações funcionais, que definem a classe de competição de cada atleta. Até 19 de outubro, estarão em disputa doze modalidades: atletismo, tênis de mesa, xadrez, futsal, ciclismo, golbol, handebol em cadeira de rodas, xadrez, basquete, basquete em cadeira de rodas, bocha paralímpica e bocha rafa vollo. Cerca de 2 mil atletas de 71 municípios catarinenses estarão na disputa de medalhas e troféus, por modalidade, gênero, deficiência – auditiva (DA), física (DF), intelectual (DI) e visual (DV) – e classe (grau de deficiência).

A modalidade de natação, por questões técnicas, foi antecipada para 2 e 3 de agosto, a fim de que se realizasse em outro município, neste caso, em Indaial, acontecendo paralelamente às disputas dos Parajesc. Quem começou bem na pontuação dos Parajasc foi Joinville, que faturou sete dos oito títulos em disputa na modalidade: DF masculino, DF feminino, DV masculino, DV feminino, DA feminino, DI masculino e DI feminino

O programa foi criado visando à inclusão e integração de atletas com deficiência à sociedade por meio do esporte. O evento tem como finalidades favorecer o desenvolvimento global da pessoa com deficiência e sua integração na sociedade pela prática esportiva adequada às suas necessidades especiais. Ainda está entre as finalidades dos Parajasc proporcionar aos atletas a aquisição de experiências que venham enriquecer seus conhecimentos e facilitar sua relação com o meio em que vivem, dessa forma contribuindo para o exercício de sua cidadania, propiciar o intercâmbio técnico e de gestão entre profissionais e dirigentes.

Os Parajasc são promovidos pelo Governo de Santa Catarina – @governosc – e realizados por intermédio da Fesporte, tendo esta 15ª edição a parceria com o Município de Caçador. 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Fesporte e Caçador discutem redução de um dia nos Parajasc

Dirigentes de Caçador, município-sede dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc), estiveram na Fesporte, em Florianópolis, na tarde de terça-feira, para tratar da organização do evento. Além de assuntos como orçamento e responsabilidades que ao Município e à Fesporte, um destaque na pauta foi a redução de dias de competições dos Parajasc. O período previsto para 14 a 20 de outubro passa a ter o encerramento no dia 19.

O secretário de Cultura, Esporte e Turismo de Caçador, Enemir Corozzola, formalizou a solicitação de redução ao presidente da Fesporte, Rui Godinho, segundo o qual, os procedimentos de redução já estão sendo estudados para promover maior economia as partes envolvidas: Estado e Municípios, tanto sede quanto participantes. “Não queremos reduzir investimentos, mas sim desperdícios”, disse Godinho. 

De acordo com estudos realizados pelas áreas técnica e financeira da Fesporte, cerca de 40 mil reais serão economizados com a redução, que envolve menos gastos com hospedagem, transporte, alimentação, locação de locais de competição, diárias, entre outras despesas. A readequação dos dias foi feita com o aumento de uma competição por dia de cada modalidade. Assim, segundo o gerente de Esporte de Participação, não haverá qualquer comprometimento no número de participantes, de modalidades ou de disputas.

A Fesporte dará, ainda nesta semana, encaminhamento da proposta de alteração de data dos Parajasc ao Conselho Estadual de Esporte, que deverá homologar nos próximos dias. Esse mesmo tipo de estudo está sendo realizado para buscar a redução de dias para outros eventos. 

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Congresso Técnico Parajasc

Dia 06 de setembro, ocorre em Caçador o congresso técnico dos Parajasc.

Acompanhe ao vivo no Facebook da Fesporte à partir das 14h.

www.facebook.com/fesportesc

Publicado em Parajasc
Escrito por

Definidos os vencedores da natação de Parajasc e Parajesc

Indaial foi palco da natação paradesportiva nesse fim de semana (3 e 4 de agosto). Isso porque, por questões técnicas e por mais viabilidade econômica, os Jogos Escolares Paradesportivos (Parajesc) e os Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) foram realizados na Piscina Municipal de Indaial.

Os Parajesc tiveram como sede a cidade de Maravilha, que, por não dispor de piscina dentro dos padrões oficiais, não pôde sediar a modalidade de natação, dentro de sua programação, realizada em 5 e 6 de julho. Pelo mesmo motivo, Caçador, sede dos Parajasc, de 14 a 20 de outubro, também não poderá realizar a modalidade, sendo antecipada para Indaial. 

Segundo o gerente de esporte de participação, Luiz Fernando Bezerra, além de atender às exigências técnicas regulamentares, a realização conjunta reduz os custos, já que muitos atletas competem em ambos os eventos.

A natação dos Parajasc aconteceu no sábado, 3, envolvendo 52 atletas com deficiência auditiva, física, intelectual ou visual, além de portadores de Síndrome de Down. Já os Parajesc contaram com 39 nadadores, com as mesmas deficiências, exceto a auditiva, dos quais, dependendo de índice técnico, podem se classificar até 28 atletas (14 masculinos e 14 femininos) para as Paralimpíadas Escolares, que acontecem em novembro, na capital paulista. No total, a delegação catarinense poderá contar com até 136 atletas para as 11 modalidades.

Já foram definidos 18 dos 28 nadadores catarinenses que vão às Paralimpíadas Escolares: 

Categoria A

DF Masculino

- Allan Hubner Júlio - Brusque

- Lucas Possato de Luz - Florianópolis

DF Feminino

- Giovana Cristina Vieira - Joinville

DV masculino

- Allan Guilherme Janing - Joinville

DV feminino

- Luana Mendes - Joinville

- Larissa Miraflor Lembeck - Blumenau

DI masculino

- Ariel Hoelfmann Detz - Brusque

DI feminino

- Evelyn Laís Decker - Brusque

- Maria Eduarda de Souza (down) - Blumenau

 

Categoria B

DF Masculino

- Isaac Lorenzo de Jesus - Florianópolis

- Vitor Braga - Joinville

- Thiago Colo de Aguiar - Florianópolis

DF Feminino

- Catarina Martins Machado - Florianópolis

- Isabelle Garcia Velasquez - Blumenau

- Luiza Possamos - Jaraguá do sul

DI Masculino

- Arnaldo Camargo Moraes - Brusque

DI Feminino

- Jamilly Freitas de Oliveira - Brusque

- Raquel Cristiane - Brusque

Nesta terça-feira, técnicos da gerência de esporte de participação da Fesporte se reunirá com técnicos de cada uma das modalidades para a formação da delegação que vai a São Paulo, com base na classificação dos Parajesc e nos índices técnicos.

Clique aqui para conhecer os resultados da natação dos Parajesc.

Clique aqui para conhecer os resultados da natação dos Parajasc.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Natação de Parajesc e Parajasc definida para Indaial

A modalidade de natação dos 10os Jogos Escolares Paradesportivos (Parajesc) e dos 15os Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) foram definidas para a Piscina Municipal de Indaial. As competições dos Parajasc acontecerão no sábado (3 de agosto) e do Parajesc no domingo (4), em ambos os dias, a partir das 8 horas. As atividades começam, contudo, na sexta-feira (2), com a chegada das delegações, classificação funcional e congresso técnico dos Parajasc. Já a classificação funcional e congresso técnico dos Parajesc acontecem no sábado.

Piscina Municipal de Indaial (Rua Leoberto Leal, 155 – Tapajós) será palco das competições da natação dos Parajesc e dos Parajasc  (Foto: Divulgação)

A definição do local deu-se em função de que os municípios-sede das competições não dispunham de piscina oficial para as competições. Os Parajesc já foram realizados na cidade de Maravilha, nos dias 5 e 6 de julho. Faltava apenas a natação para a conclusão da programação. Essa mesma modalidade antecipa-se à programação dos Parajasc, que acontecerão, de 14 a 20 de outubro, em Caçador.

Trinta e sete atletas dos Parajesc competirão em busca de índice para participar das Paralimpíadas Escolares, que acontecerão em novembro, em São Paulo (SP). No caso dos Parajasc, a coordenação do evento ainda não pode precisar o número de participantes, uma vez que o prazo de envio de relação nominal vai até 31 de julho.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Prorrogado prazo de envio do termo de compromisso

Fesporte prorroga prazo de envio do termo de compromisso dos Parajasc.

Em virtude de uma falha no sistema de inscrições para eventos, o encerramento do prazo para envio do termo de compromisso de participação nos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc), então definido para 1º de julho foi prorrogado para o dia 12 do mesmo mês.

Segundo a gerência de esporte de participação, o sistema já está em funcionamento, e mesmo os municípios que já encaminharam as inscrições por meio de ofícios deverão refazê-las no sistema.

Essa prorrogação não altera o prazo de envio do termo de desistência, que vai até 31 de julho. O congresso técnico acontece no dia 19 de setembro, e as competições vão de 14 a 20 de outubro, em Caçador.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

Publicado em Parajasc
Escrito por

Inscrições dos Parajasc deverão ser encaminhadas por e-mail

A Fesporte comunica que, em virtude de falha no sistema, as inscrições e termo de compromisso para os Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) deverão ser encaminhadas para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. , até o dia 1º de julho.

Publicado em Parajasc
Escrito por

Itajaí inicia preparação para os Parajasc 2018

Nesta quarta-feira (7), os representantes do município de Itajaí estiveram na sede da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) para acertar detalhes da etapa estadual deste ano dos Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc). Sede da competição em 2018, o município deve formalizar e apresentar a Comissão Central Organizadora até o dia 5 de março.

Superintendente da Fundação Municipal de Esportes e Lazer de Itajaí (FMEL), Julcemar Martinho Ferreira disse que a cidade almeja o nível de excelência na organização dos Parajasc: "Essa reunião veio no momento certo. Junto com a Fesporte, nós queremos fazer um dos melhores Parajasc de todos os tempos. O evento não é só para a cidade de Itajaí, mas sim para todos os catarinenses"

Também foi definido o valor do repasse que será feito pelo Governo do Estado de Santa Catarina ao município. Em torno de R$300 mil serão repassados a Itajaí até o dia 15 de abril, disse Julcemar Ferreira. Segundo o superintendente, a data antecipada servirá para o município se preparar a tempo para fazer os reparos e investimentos necessários nos ambientes esportivos da cidade.

Segundo Ferreira, a ideia é ter "tudo pronto com pelo menos um mês de antecedência". O superintendente disse que o município tentará corrigir as falhas da edição de 2010, também sediada em Itajaí. Esse recurso será aproveitado para a melhoria de ginásios e áreas de acesso às pessoas com deficiências físicas e que necessitam de melhor acessibilidade.

A etapa estadual dos Parajasc está programada para o mês de outubro. Dentro das próximas semanas a Fesporte divulgará o calendário completo de 2018, com as datas para inscrições e entrega de termos e documentos das competições.

No encontro com os representantes da Fesporte, também estiveram presentes pela cidade de Itajaí: Giovani Prateat, superintendente adjunto da FMEL, Célio Amorim, diretor de rendimento e Volnei Schlickman, gestor de esportes. 

 

Texto: Nicolas Quadro

Assessoria de Comunicação - Fesporte 

Renan Koerich

Antonio Prado

Heron Queiroz

Zenilda Stein

Nicolas Quadro

 

Pagina 2 de 14