Prado

O grito de campeão soou nas quadras de Gaspar nesta sexta-feira, 24, último dia da etapa estadual da 12ª edição dos Jogos Abertos da Terceira Idade de Santa Catarina (Jasti). Foram definidos os vencedores da canastra, dominó, voleibol, bocha e bolão 23. A competição, promovida pelo Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com  a prefeitura de Gaspar, começou dia 19, com congresso técnico, com a participação de 2.300 idosos, com idade a partir de 60 anos de 178 municípios.

Nesta sexta-feira, as disputas de mesa foram bastante equilibradas. No dominó masculino, Luiz Alves foi campeão com a dupla Osni Kreff e Osni Betold e ainda Orlando Kreff. “Foi a primeira vez que participei dos Jasti, e este título foi espetacular”, disse o campeão Kreff, de 60 anos.

A dupla Renilton Torteli e Anelson Colluso, de Água Doce, conquistou o título na canastra masculina com a participação de José Brugnara. Já a canastra feminina o troféu de campeão ficou com Dolores Londo e Zilda Ludwig, de Timbó. Trude Gertrude completou o time.

Entre as mulheres a conquista do dominó ficou com Lindamira Aparecida e Mariza Rodrigues, de Biguaçu. “Essa minha conquista foi emocionante porque é a primeira vez que Biguaçu é campeã no dominó”, festejou a campeã Lindamira. 

Ao fim dos Jasti, o presidente da Fesporte, Rui Godinho, se disse satisfeito com o resultado final do evento. “Estão de parabéns os atletas, minha equipe da Fesporte e a prefeitura de Gaspar pela parceria. Tivemos dias incríveis, jogos de auto nível e uma sinergia bastante positiva entre os competidores”, destacou.

Floripa e Caçador vencem no voleibol

Na decisão do voleibol masculino, no ginásio da escola Ivo de Aquino, Florianópolis desbancou Treze Tílias, que já vinha embalado com dois títulos (2017 e 2018). A equipe da capital fez 2 a 0 (15/12 e 15/13) e levantou o caneco pela primeira vez na competição. Brusque ficou na terceira colocação, ao vencer Pomerode por 2 a 0 (15/11 e 15/6).

O time campeão jogou com Adilson Mello, Alaercio Silvy, Antônio Dutra, Dionízio Colombi, Elio Furtado, Ireno da Rosa, Jackson Greinert, Joel Fagindes, Luiz Brunatto, Manilo Bianchini, Marcelino Pontes, Murilo Pereira, Roberto Scalabrin, Rubens Bock, Sidnei da Rosa e Sidnei Junckes.

No feminino, também houve conquista inédita. Caçador, que já havia chegado perto nas duas edições anteriores, com um vice em 2017 e um terceiro lugar em 2018, bateu Joinville por 2 a 0 (15/13 e 15/7), ocupando o primeiro lugar no pódio. Balneário Camboriú, campeão na edição anterior, ficou com o terceiro lugar, vencendo Florianópolis por 2 a 0 (15/5 e 15/6). 

A equipe caçadorense jogou com Eliane França, Elza Bellaver, Erlete Battochio, Eva França, Ivonete Bazzanella, Maria Salete Werlang, Mariza Bueno, Neide Baú, Neusa Cordeiro, Orilda dos Anjos, Raquel Moro, Samara Moro, Sarita Loss e Yeda Driessen.

No cerimonial de premiação, o presidente Rui Godinho, fez entrega de troféus de honra ao mérito aos atletas destaques: à jogadora de vôlei da equipe de Brusque, com 83 anos, Ruth Hoffmann, que atuou nos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) desde a primeira edição, de 1960 a 1972, e teve sete títulos; e ao jogador de vôlei de Florianópolis, Dionízio Colombi, atleta mais velho da competição, com 93 anos.

 

Texto: Antonio Prado e Heron Queiroz

 A modalidade de dança dos Jogos Abertos da Terceira Idade de Santa Catarina (Jasti) encerrou na noite desta quinta-feira (23), no Ginásio Prefeito João dos Santos, em Gaspar, com o concurso de dança de salão. Florianópolis e Joaçaba foram os grandes vencedores. 

Na categoria A (60 a 69 anos), a dupla Florianópolis, com Margarete de Souza e João Alcides Rocha, ficou em primeiro lugar, com a média de 9,72 pontos. Em segundo, ficou a dupla formada por Judite Ross e Osmar de Azevedo, de Portobelo, com 9,58. E em terceiro, Lorena Michels e Aderbal de Souza, de Gravatal, com 9,47.

Na categoria B (a partir de 70 anos), Joaçaba ficou em primeiro, com a dupla Nilza Talgem e Leocrides Colla, com 9,6 pontos. Em segundo, ficou o casal chapecoense, Catarina e Nelson Dalmoro, com 9,58. Em terceiro, ficaram Maria Rowena Damann e Wenceslau Berk, de Ituporanga, com 9,55 pontos.

Outra modalidade que encerrou foi o truco. Na decisão do feminino, Catanduvas venceu Caçador por 2 a 0. Em terceiro, foi Jaraguá do Sul, que bateu Quilombo por 2 a 0. No masculino, Tangará fez 2 a 0 sobre Descanso, ficando com o título. Zortéa ficou em terceiro ao vencer Itá pelo mesmo placar.

Os Jasti ainda têm mais um dia de competições. Nesta sexta-feira, encerram-se as demais modalidades: bocha, bolão 23, canastra, dominó e voleibol.

Texto: Heron Queiroz/Ascom/Fesporte

 

 

 

A manhã de quinta-feira, 23, penúltimo dia dos Jogos Abertos da Terceira Idade (Jasti) em Gaspar, poderia ser um dia triste para dona Ruth Hoffmann, 83 anos, jogadora de voleibol de Brusque, pois ela acabara de perder a partida por 2 a 0 para Balneário Camboriú pelas oitavas de final e estava desclassificada da competição. Mas, ao invés de tristeza, a simpática senhora estava feliz, pois sabia que tinha cumprido o seu papel, que era participar de forma saudável da competição.

“Em três jogos, na etapa inicial, vencemos dois (Presidente Getúlio e Criciúma) e perdermos uma (na estreia para Pomerode) e nas oitavas de final fomos desclassificadas com a derrota de 2 a 0 para Balneário Camboriú, mas não tem problema, pois um evento como os Jasti é muito importante para pessoas com a minha idade. As pessoas ficam muito contentes em fazer atividade física fazendo o que gosta, como jogar voleibol”, diz com convicção.

Quem ver dona Ruth falar com desenvoltura pode pensar que ela é apenas uma pessoa instruída. Mas, ao saber da história dela, tem-se a certeza que ela é mais que isso. Dona Ruth é, na verdade, uma personagem histórica do voleibol catarinense e do esporte, de um modo geral do estado. Ano passado foi vice-campeão dos Jasti.

Ruth Hoffman participou da primeira edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) em 1960, em Brusque, sendo a primeira campeã do voleibol da história da competição que disputou até o ano de 1972.  Antes, porém, nos anos de 1957, 1958 e 1959, participou, como atleta de voleibol de Brusque, dos Jogos Abertos do Interior de São Paulo. A viagem foi patrocinada pelo empresário brusquense Arthur Schlösser e serviu de experiência para  que ele criasse os Jasc em 1960.

A brusquense foi campeã do voleibol dos Jasc de 1960, 1961, 1963, 1966, 1969, 1970 e 1971. Venceu o Torneio Universitário Catarinense em 1959 e 1960. Participou do X e XI Campeonato Brasileiro de Voleibol e em 1962 foi convocada para a Seleção Brasileira, mas estava grávida de seu primeiro filho não pôde atender a convocação.

Em 1996 Ruth Hoffmann foi condecorada com a Comenda do Mérito Esportivo pelo Conselho Estadual de Esporte, a maior honraria do setor esportivo, designada à pessoas com relevantes serviços prestados ao esporte catarinense.

A etapa estadual dos Jasti, que termina nesta sexta-feira, é uma promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Gaspar. O apoio é da Unifique e da Círculo.

Texto: Antonio Prado

 

Nem só de pontos, vitórias e medalhas vivem os Jogos Abertos da Terceira Idade (Jasti), pois um dos momentos mais aguardados do evento é o tradicional baile. É hora em que os organizadores dão uma pausa nas competições para que os idosos se divirtam. E nesta 12ª edição, em Gaspar, não foi diferente. Nesta quarta-feira, dia 22, todos os caminhos levavam ao Clube Alvorada.

Valsa, vanerão, xote e até sertanejo da banda Embalo da Dança, de Blumenau, embalaram e empolgaram os atletas. Uma das mais animadas era dona Lenita Correa, de 68 anos, jogadora de dominó, de São Francisco do Sul. Com deficiência física, nem a cadeira de rodas impedia de dançar no meio do salão.

Auxiliada por Mário Sérgio, coordenador de esportes de seu município, dona Lenita era o retrato da felicidade. “Eu adoro isso aqui. É preciso ter cabeça para viver e não precisa ter braço e perna para ser feliz”, ensina.

Do outro lado da pista seu Aldo Padilha, 62 anos, da dança de salão de Jaraguá do Sul e que disputa os Jasti há 10 anos, não dispensava uma música com a esposa Maria das Graças, de 70 anos. Só parou para dizer rapidamente: “Na nossa idade nós só queremos isso aqui”.

Dona Lenita Correa, de 68 anos, do dominó, de São Francisco do Sul, dança animada com músico da banda (Foto: Antonio Prado)

No meio da muvuca um participante estava mais tranquilo, apenas observava a movimentação, sentado em uma mesa com os amigos. Era seu João Sdeilhauser, de 70 anos, jogador de canastra de Alfredo Wagner. A tranquilidade tinha uma explicação. A parceira da dança, a esposa Adilma Soares, da mesma idade, preferiu ficar treinando no andar de cima do salão para o torneio de canastra nesta quinta-feira.

Entre um e outro copo de cerveja seu João deixou escapar com humor  sua filofia de Jasti. “Aqui viemos para competir e atrapalhar os outros,  já o baile é algo que gostamos. Viajamos cerca de 300 quilômetros de nossa cidade para vivenciar isso aqui”, exagerou.

Os Jatis são uma promoção do Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Gaspar. O apoio é da Unifique e da Círculo.

Texto: Antonio Prado

Dona Ivoni Werner, agricultora aposentada de 75 anos, de Seara, saía da cancha de bolão 23 da Sociedade Recreativa Salto do Norte, na tarde desta terça-feira, 21, em Gaspar, com um sorriso no rosto. Na mão direita, a carteira de identidade e, na esquerda, o bolão, instrumento responsável por ela derrubar 124 pinos dos 180 possíveis. A felicidade tinha um porquê: acabara de estrear na etapa estadual da 12ª dos Jogos Abertos da Terceira Idade de Santa Catarina (Jasti), evento para idosos com idade a partir de 60 anos promovido pelo Governo de Santa Catarina, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Gaspar.

Na outra cancha, uma cena quase idêntica era repetida pelo seu Mário Haverroth, metalúrgico aposentado de 62 anos, de Salete, que derrubou 152 pinos em sua partida de estreia. Assim como dona Ivoni e seu Mário, os cerca de 2.300 atletas de 178 municípios estrearam com toda a intensidade nas modalidades de voleibol, bocha, bolão 23, canastra, dominó, truco e dança folclórica. Foi apenas o primeiro dia dos quatro que estão programados, com a finalização para a sexta-feira, dia 24.

 Dona Ivoni Werner, agricultora aposentada de 75 anos de Seara (Foto: Antonio Prado)

Acostumada a plantar arroz, feijão, milho, mandioca e tirar leite de vaca na propriedade da família, em Seara; jogar bolão, para dona Ivoni, representa algo mais importante de que uma medalha de campeã. “Isso aqui é um divertimento, meu filho. Parece que a gente faz até física”, diz.

Se a incerteza nas palavras surgem, o mesmo não acontece quando o assunto é o amor pelo bolão. “Jogo todas as quintas-feiras, por uma hora na Sociedade Recreativa Searense”, diz ela, que é mãe de quatro filhos, que lhe deram quatro netos. “O bolão é um esporte maravilhoso, assim como os Jasti, onde eu conheço novas pessoas e outros lugares e me faz sentir viva”.

“Os Jasti são bons para a saúde”, a constatação é de seu Mário, que diz que tem a consciência que jamais será campeão. “Não tem problema. Isso aqui é para participar. Jogo bolão por que gosto”. O pensamento de seu Mário personifica a filosofia dos Jasti: promover o esporte de inclusão como política de estado.

Texto: Antonio Prado

 

   

A 12ª edição dos Jogos Abertos da Terceira Idade de Santa Catarina (Jasti) começa neste domingo, a partir das 16 horas, na prefeitura de Gaspar com o congresso técnico. É nesta reunião com os representantes dos municípios que são discutidos os últimos detalhes da competição, como tabela de jogos, estrutura das praças esportivas, regulamentos, entre outros assuntos.

O domingo foi reservado para os funcionários da Fesporte e prefeitura de Gaspar realizarem os últimos ajustes para o evento como distribuição de material de identidade visual, material esportivo e vistoria nos locais dos jogos.

Os jasti prosseguem até o dia 24 em Gaspar. Serão quatro dias de intensas disputas de voleibol, bocha, bolão 23, canastra, dominó, truco, dança de salão, dança coreografada e dança folclórica. A cerimônia de abertura será nesta segunda-feira dia 20, às 19h30, no ginásio João dos Santos. A competição reunirá 2.150 atletas a partir de 60 anos, de 178 municípios.

Para o presidente da Fesporte, Rui Godinho, os Jasti abrirão em grande estilo a etapa estadual dos eventos da instituição: “Será uma grande festa não somente do esporte, mas também da integração de diversos atores da terceira idade”.

Atores como o seu Dionizio Luiz, de 94 anos, que disputará a competição pelo voleibol de Florianópolis, ou Ruth Hoffmann, de Brusque, que aos 82 anos, participou da primeira edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) em 1960 e que nesta edição também estará no vôlei.

A etapa estadual dos Jasti é uma promoção do Governo do Estado, por meio da Fesporte, em parceria com a prefeitura de Gaspar com apoio da Unifique e Circulo.

Texto: Antonio Prado

(48) 9 9949-5255

 

Pagina 1 de 197