Publicado em Geral
Escrito por

Projetos esportivos de sucesso em SC: atletismo Nova Veneza

E continuando com a série de reportagens sobre projetos esportivos de sucesso de Santa Catarina, a Fesporte aborda nesta quinta o atletismo de Nova Veneza

Com mais de 95% da população descendendo de italianos, Nova Veneza, a primeira colônia italiana oficialmente instalada no Brasil República (1891), é um pedaço da Itália em Santa Catarina. Situada Sul do Estado, e com pouco mais de 13 mil habitantes, um dos grandes sucessos entre seus atrativos é a Gôndola Lucille, doada pela Itália em 2006 após percorrer os canais de Veneza. A embarcação 100% artesanal, construída em um canteiro com mais de 700 anos de história, fica posicionada em um lago artificial no centro da cidade, na a Praça Humberto Bortoluzzi. 

Se a praça com a gôndola é um dos ícones no ramo cultural e turísticos, no setor esportivo o atletismo é uma das estrelas. O projeto começou em 1994 e atende gratuitamente cerca 20 atletas a partir de oito anos de idade,  que treinam de segunda a sábado uma média de três horas no complexo esportivo Antônio Amboni.

Revelando talentos

Coordenado por Roberto Carlos Bortolotto –  multicampeão dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), com 23 medalhas de ouro,  e campeão brasileiro, sul-americanos e ibero- americano dos 400m e um dos maiores atletas do atletismo de sua geração, nos anos 80 e 90, no salto triplo, salto distância, 200 e 400 metros rasos – o Projeto de Atletismo de Nova Veneza já revelou inúmeros campeões do atletismo catarinenses, muitos deles pelas competições dos Jogos Escolares Venezianos (Jevs), da prefeitura local.

“Por meio dos Jevs selecionamos os competidores que participarão da escolinha de atletismo. Desta escolinha saíram vários atletas medalhistas em campeonatos brasileiros, Olesc, Joguinhos e Jasc e até mesmo em competições internacionais. Saíram do nosso projeto atletas como Larissa da Silva Lúcio,  campeã Brasileira sub-18  e sub 20 em 2018 e 2021 na prova dos 800 metros, e medalhista  nos Jogos Escolares Mundiais da Juventude em 2018.

De acordo com reportagem do site da prefeitura de Nova Veneza, Larissa foi descoberta por Bortolotto aos 12 anos quando participava dos Jevs e teve que abdicar do Grupo Folclórico Ítalo Brasileiro, da cidade, em favor do atletismo. “Eu participava dessas competições de escola e de corridas rústicas apenas, quando chegou o Bortolotto e me selecionou para participar dos treinamentos. No começo eu não levava a sério, ia alguns dias e faltava bastante, quando a gente é criança só quer brincar”, comenta Larissa. 

Os campeões Larissa, Erick e Giovana com o treinador Roberto Bortolotto, à direita (Arquivo pessoal)

Na época em que começou a treinar, a atleta participava do Grupo Folclórico Ítalo Brasileiro, um dos grupos de dança mais conhecidos e respeitados de Santa Catarina. Até que o treinador Bortolotto falou que ela tinha um grande futuro no atletismo. “Eu gostava muito de dançar, não queria deixar o grupo, mas chegou um momento que o atletismo era muito mais importante, que poderia ser meu futuro, e que eu estava vendo que gostava mais também”, enfatiza a atleta.  

Principal destaque do atletismo de Nova Veneza hoje, com 18 anos, Larissa ressalta a importância que teve a insistência de Roberto em tê-la no DME. “O Roberto foi um cara que mudou boa parte da minha vida, por ter me chamado para esse projeto do atletismo. Ele é uma pessoa muito boa para mim e para todos os outros atletas aqui do núcleo. Realizei várias coisas, ele me fez voar no atletismo, só tenho a agradecer a ele por tudo que fez por mim e tem feito ao longo desses anos”, destaca a atleta. 

O ano de 2019 foi o melhor da sua carreira. Foram 20 medalhas conquistadas, além do principal objetivo daquele ano alcançado: o título brasileiro sub-18. A velocista  fez a melhor marca do Brasil nesta categoria em 2019 com  2min15s64 nos 800m chegando a liderar o ranking. Larissa ainda se tornou a única atleta de Santa Catarina a conquistar o tetracampeonato seguido na prova dos 800m rasos da Olesc. 

Para Bortolotto a atleta tomou a decisão correta ao escolher o atletismo. “Eu falei para a professora de dança dela que ela iria conseguir outra pessoa na dança, mas que eu não ia conseguir outra Larissa no atletismo. E está aí, ela se tornou uma referência no estado na sua categoria, uma atleta de alto nível, a Larissa é uma atleta nova e já é exemplo para muitos”, comenta Bortolotto.

 Larissa da Silva Lúcio,  campeã Brasileira sub-18  e sub 20 em 2018 e 2021 foi revelada no projeto de atletismo de Nova Veneza (Foto: Arquivo pessoal)

Além de Larissa já passaram pelas mãos do treinador, no projeto, Luciane Moreto, campeã mundial nos Jogos da Juventude Italiana, no salto em distância em 2005; Geovana da Silva, vice-campeã brasileira no salto triplo em 2020; Micaely Demo, campeã brasileira nos 75 metros, além de outros atletas como, Maycon Volpato, campeão brasileiro sub-18  e sub- 20  no salto em altura.

O treinador, que de 2006 a 2008 comandou a seleção brasileira de atletismo nas categorias sub-18, sub-20 e sub-23, revelou, entre outros, a olímpica Ana Claudia Lemos, recordista sul-americana dos 200m,  que participou das olimpíadas  de Pequim 2008 e Londres 2012 e hoje está entre as primeiras do ranking brasileiro e que recentemente disputou o Mundial de Revezamentos no atletismo na Polônia.

Roberto Carlos Bortolotto tem boas expectativas para o futuro já que acredita na filosofia do projeto de atletismo, que propõe  objetivos além do esporte do de rendimento. Segundo ele, aqueles que por ventura não tiveram êxito em sua vida esportiva dentro do projeto sairão melhores, pois o esporte contribui para a aprendizagem de cidadania. Mas se o foco é o rendimento o projeto também contempla este propósito.

Já que segundo o treinador o município respira esporte e já revelou muitos campeões. “Nova Veneza é uma cidade que se destaca na modalidade de atletismo. Temos vários recordistas. Eu sou um dos recordistas, a Larissa tem recorde estadual, a Mikaeli é recordista estadual, a Katia na época foi recordista. Então Nova Veneza é privilegiada por grandes talentos no atletismo. E hoje continuamos esta história com apoio da prefeitura de Nova Veneza”.

Texto: Antonio Prado

Ascom Fesporte

 

 

Publicado em Geral
Escrito por

Georreferenciamento esportivo de SC será atualizado

A Fesporte realiza a partir do mês de junho o Processo de Retomada do Projeto de Georreferenciamento Esportivo de Santa Catarina. O Projeto precisa ser finalizado e a ajuda dos municípios através de seus Gestores Esportivos Municipais será muito importante. Até o momento contamos com o cadastro parcial dos municípios, necessitando assim da conclusão do preenchimento dos dados através dos links de acesso para o complemento dessas informações.

Para os gestores esportivos que assumiram seus respectivos orgãos nesse ano de 2021, esse cadastramento do georreferenciamento é fundamental para que o Governo de Santa Catarina possa conhecer a realidade local e implantar políticas públicas no setor esportivo do município. 

Todos os formulários podem ser acessados no site oficial da Fesporte (Clique aqui para acessar e preencher os formulários).

Essa nova rodada de divulgação para cadastramento de Instalações Esportivas no Projeto de Inventariação em Santa Catarina – o Georrefenciamento Esportivo, teve seu lançamento no início de 2020 pela Fesporte, e já conta com mais de 4 mil instalações esportivas cadastradas no sistema.

Esta ação, pioneira no país, permitirá mapear todos os locais de competições esportivas de Santa Catarina e obter um panorama das condições das instalações, facilitando o planejamento de eventos em cidades catarinenses e implantação de políticas públicas do setor.

As informações coletadas por intermédio dos formulários são georreferenciadas no mapa digital, que ficará disponível ao público pelo Google Maps. (Clique aqui e entre no manual de pesquisa das instalações cadastradas).

Publicado em Geral
Escrito por

Projetos de Sucesso em SC: Bolão 23 de Rio do Sul

O bolão 23 masculino do Clube de Caça e Tiro Dias Velho, de Rio do Sul, é o destaque desta quinta-feira, da série de reportagens da Fesporte intitulada de “Projetos Esportivos de Sucesso em Santa Catarina”. Confira a matéria

Localizado no Alto Vale do Itajaí, o município de Rio do Sul é carinhosamente conhecido como a capital nacional do bolão. A maior festa da cidade, a Kegelfest – traduzida do alemão  “Festa Nacional do Bolão” não deixa dúvida quanto ao amor da sociedade local por este esporte que chegou ao Brasil com a imigração alemã de 1806 a 1871. Inicialmente em Nova Friburgo, São Leopoldo, Rio Negro (Paraná), Mafra, Pernambuco, Petrópolis. Entre 1850 e 1859 em Blumenau, Joinville e Brusque. 

Atualmente, em Rio do Sul, o esporte é praticado em cinco entidades: Sociedade de Atiradores Bela Aliança, Sociedade Desportiva e Recreativa 25 de Julho, Associação Desportiva Duque de Caxias, Sociedade Esportiva e Recreativa Albertinense e no Clube de Caça e Tiro Dias Velho.

O projeto de bolão do Dias Velho, por meio da Fundação Municipal de Desportos,  representa Rio do Sul desde 2007 em competições como os Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), campeonato estadual e Brasileiro. Para isso conta em seus quadros 17 atletas, entre eles dois grandes nomes da modalidade: Armelindo Sclupp, 62 anos, considerado o Pelé do bolão catarinense, e Cláudio da Silva, o Juninho, 18, uma das grandes revelações da modalidade nos últimos anos.

Junções como essa – experiência e juventude – são responsáveis por um projeto de sucesso que já tem em sua história, mais de 10 títulos importantes nos últimos anos, entre os quais, o de campeão brasileiro de 2016 em Curitiba, PR ao derrotar de virada os donos da casa por um ponto de diferença, titulo que entrou para a história de Rio do Sul e proporcionou uma carreata pela cidade com os heróis campeões.

Projeto tem inúmeros títulos e une atletas e família em torno do esporte que identifica a tradição de Rio do Sul (Arquivo pessoal)

Armelindo Schlup, que fez parte da equipe, tem no currículo nove títulos em campeonatos estaduais, três em campeonatos brasileiros e quatro medalhas de ouro nos Jogos Abertos de Santa Catarina. Acumula 65 braços de ouro em diversas competições –  prêmio para melhor atleta, além de ter sido técnico da Seleção Catarinense de Bolão. Os títulos pelo brasileiro foram conquistados defendendo as cores dos clubes Armada, de Rio do Sul; Adeblu, de Blumenau; e pelo Caramuru, de Chapecó. “Em primeiro lugar está a família, depois vem o bolão na minha vida”, revelou o atleta ao conquistar o titulo de campeão dos Jasc em 2012 e tirar Rio do Sul de uma fila de espera que já durava 16 anos.

Para Técnico Dirk Frank Klug, 52 anos, que coordena o projeto do Bolão 23 do Clube de Caça e Tiro Dias Velho, a modalidade tem uma importância singular na sociedade riosulense, pois representa as tradições alemãs dos primeiros imigrantes do município. “O bolão representa a nossa cultura, nossos antepassados: o avô, tataravô, enfim, é um esporte que faz amigos, que une famílias e representa toda uma identidade cultural de um município”.

Dirk enfatiza que as competições que congregam as cinco entidades da modalidade são coordenadas pela Liga Riosulense de Bolão e Bocha. “Estima-se que 300 famílias participam diretamente das atividades da modalidade em nossa região, totalizando em torno de 450 adeptos ao esporte que representam os clubes em competições regionais, estaduais e também a nível de Brasil”. Ele esclarece ainda que o tradicional Campeonato Regional de Clubes acontece anualmente e as equipes melhores colocadas são classificadas para as disputas dos campeonatos estaduais série ouro, prata e bronze.

Armelindo Schlup é considerado por muitos o Pelé do bolão catarinense (Foto: arquivo pessoal)

 

História do bolão

Segundo o site da Federação Catarinense de Bocha e Bolão (FCBB) o bolão é uma das modalidades esportivas mais antigas em disputa. Consta que a primeira descrição clara do jogo de bolão encontra-se no "Renner", de Hugo Von Trimberg, Reitor em Bamberg, Alemanha, entre 1260 e 1309. Pelo início do século XVI, Murner escreveu a poesia alegórica intitulada "O Jogo do Bolão da Dissidência da Fé", 1522. Desse título pode-se deduzir que o jogo de Bolão era, na época, bastante difundido. Bem cedo, o jogo de bolão devia ter se espalhado da Alemanha para a França, os Países Baixos e para a Inglaterra.

No Brasil, ele veio com a imigração alemã de 1806 a 1871, inicialmente em Nova Friburgo, São Leopoldo, Rio Negro (Paraná), Mafra, Pernambuco, Petrópolis. Entre 1850 e 1859 em Blumenau, Joinville e Brusque.

Nos Jogos Abertos de Santa Catarina, o bolão foi introduzido já na sua primeira edição em 1960 na cidade de Brusque. Até o ano de 1974 ele foi disputado com bolas de madeira de diâmetro de 23 cm. A partir daquele ano, deu-se também as disputas com a bola de fibra com 16 cm de diâmetro.

A modalidade começou a ganhar força e adeptos em Santa Catarina por meio de um trabalho realizado pela Federação Catarinense de Bocha e Bolão, que formou um grupo de atletas e viajou pelo estado divulgando e instruindo os demais clubes, introduzindo assim o bolão em todas as regiões.

Características

O bolão é um esporte que se enquadra perfeitamente nas demais modalidades esportivas salutares e de real proveito para a saúde do povo. Baseia-se ainda, nos preceitos da camaradagem, dignidade e cavalheirismo. O esporte de bolão exige a movimentação de toda a musculatura, de todas as articulações; tonifica o coração, os pulmões e o sistema nervoso, e contribui ao mesmo tempo para que o praticante desta modalidade esportiva exercite o domínio da vontade dos sentidos em proveito da perfeita educação, de um caráter equilibrado, reto e jovial.

Principais conquistas do Bolão do Clube de Caça e Tiro Dias Velho

2012 - Campeão Estadual Ouro em Rio do Sul

           Campeão JASC em Caçador

2013 - 4° Lugar Brasileiro de Clubes em Guarapuava - PR

           Campeão 1° Copa Azulões em Blumenau

           Vice - Campeão Estadual Ouro em Indaia

           Campeão dos Jasc em Blumenau

2014 - Campeão Taça Santa Catarina em Rio do Sul

           Bicampeão da 2ª Copa Azulões em Blumenau                 

2015 - Tricampeão 3ª Copa Azulões em Blumenau

              Campeão 1ª Copa Dias Velho em Rio do Sul

2016 -  Campeão Brasileiro de Clube, Cutiba, PR 

            Tetrampeão 4ª Copa Azulões em Blumenau           

2017 - Campeão Copa Rio Negrinho - Rio Negrinho 

            Pentacampeão da 5ª Copa Azulões – Blumenau

            Campeão JIMAVI

2018 – Campeão Copa Praianos do Bolão – Itajaí

Campeão JIMAVI

2019 – Campeão Copa Praianos do Bolão – Itajaí

Texto: Antonio Prado 

Ascom Fesporte

Se você tem um projeto de sucesso e quer ver neste espaço entre em contato com  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Publicado em Geral
Escrito por

Visita ilustra na Fesporte: Remador Odilon Maia Martins

Visita ilustre na Fesporte: Remador Odilon Maia Martins participou da primeira edição dos JASC, segue competindo aos 92 anos.

Odilon Martins é um exemplo de sucesso na vida e nos esportes. Aos 92 anos de idade, pratica esportes todos os dias e ainda compete no remo.

Ele participou da primeira edição dos jogos abertos em 1960, curiosamente, como atleta da natação, seu segundo esporte. “Lembro que era inverno e a água estava muito gelada, frio de agosto”, falou o atleta veterano, em visita essa semana ao presidente da Fesporte, Kelvin Soares.

No Remo, foram mais de 25 medalhas em campeonatos mundiais e outras centenas em competições pelo Brasil. Muitas, nos jogos abertos de Santa Catarina. Seu Odilon ficou feliz em saber que os JASC foram marcados para Novembro, em São José. Ele lembrou dos momentos difíceis da pandemia, disse que contraiu o vírus, mas recuperou-se rápido e ficou sem sequelas. Também lembrou da última competição em que participou. Em 2019, antes da pandemia, o Mundial Master de Budapeste, na Hungria. “Saudades de competir”, disse o atleta que segue remando diariamente em Florianópolis. 

 

Publicado em Geral
Escrito por

Gerências realizam visitas téc. em Timbó, Indaial e L. Alves

Representantes das gerências das áreas escolar e rendimento da Fesporte farão visitas técnicas nos municípios de Timbó, Indaial e Luiz Alves, cidades que sediarão competições dos Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc) 12 14 anos, Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc), Jogos Escolares Paradesportivos de Santa Catarina (Parajesc), Joguinhos Abertos de Santa Catarina e Campeonato Catarinense Escolar de Futebol - Moleque Bom de Bola, eventos da Fesporte.

A primeira inspeção aos locais de competições será na terça, dia 8, em Timbó, sede da etapa estadual dos Jesc (20 a 27 de agosto) e Parajesc (23 a 26 de setembro). Após a equipe seguirá para Indaial, onde será a etapa estadual da natação dos Jesc, Olesc e Joguinhos.

No dia 16 de junho representantes da Gerência de Esporte de Base e Inclusão estarão em Luiz Alves, que sediará o  Campeonato Catarinense Escolar de Futebol – Moleque Bom de Bola (7 a 12 de outubro).

A etapa estadual da Olesc será em Curitibanos (13 a 20 de outubro) e a dos Joguinhos, em Videira (5 a 12 de novembro). 

As visitas técnicas aos locais de competições são procedimentos de praxe dos profissionais da Fesporte, que inspecionam toda a infraestrutura esportiva para a realização de um evento: quadras esportivas, campos, pistas, piscinas, entre outros. Tudo tem que está apto para as competições, de acordo com o que foi estabelecido pelo município sede no caderno de encargos de competições.

 

Publicado em Geral
Escrito por

Dirigentes de Joinville conhecem estrutura da Fesporte

Um grupo de dirigentes esportivo da Secretaria de Esporte de Joinville (Sesporte) esteve na tarde desta quinta-feira, 27, na sede da Fesporte, em Florianópolis. Foram recebidos pelo presidente da entidade Kelvin Soares. Os representantes municipais vieram conhecer toda a infraestrutura da Fesporte no gerenciamento dos eventos esportivos.

Entre os presentes estiveram André Mattos, secretário da Sesporte; Luis Fernando da Rosa, gerente técnico esportivo; Ricardo Arruda, coordenador de rendimento; Rosicler Ravache, coordenadora do paradesporto e Guilherme Bujica, servidor da área educacional.

Para André Mattos, que por 10 anos foi gerente de esporte estudantil do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e assumiu a Sesporte em janeiro, a visita foi bastante positiva. “Santa Catarina sempre foi uma referência no esporte educacional e no rendimento. Vim aqui para somar com este Estado e conhecer a Fesporte, aproximar a entidade com a administração de Joinville e colocar novamente os joinvilenses na rota de participação dos eventos esportivos. Estou muito motivado”, finalizou o dirigente. 

 

Publicado em Geral
Escrito por

Projetos de sucesso em SC: badminton de Joaçaba

Na série sobre projetos esportivos de sucesso em Santa Catarina, realizada pela Fesporte, o destaque desta quinta-feira é o badminton de Joaçaba, por meio da Associação Meio Oeste de Badminton (Amob). Confira a matéria

Quem vê a adolescente Letícia Pinto Andres, 13 anos, treinando badminton, pode até imaginar que ela é apenas uma das dezenas de praticantes da modalidade atendidas diariamente no ginásio Edmar de Oliveira Pinto, em Joaçaba. Não. Ela não é apenas uma. Letícia é especial, pois na curta carreira, iniciada em 2012, tem no currículo três títulos brasileiros da modalidade, em duplas, com a parceira gaúcha Eduarda Prates, além de ser campeã brasileira individual, sub-13, e vice-campeã sul-americana individual e em duplas.

Mas de onde vem tanto talento? Claro, dela própria, mas pode-se cravar com toda a certeza que ele foi lapidado por uma ação esportiva de sucesso em Santa Cataria: o projeto social da Associação Meio Oeste de Badminton (Amob), que funciona em parceria com Projeto Badminton Joaçaba 2021, da prefeitura local. O projeto está inserido dentro do edital Fomento Esportivo, da Superintendência Municipal de Esportes, que engloba mais 11 iniciativas esportivas.

Em 2015 Anderson Andres, coordenador da Amob, recebeu Troféu Gustavo Kuerten de Excelência como melhor treinador (arquivo pessoal)

Além de Letícia, a Amob já revelou nomes como Gabriela de Oliveira e Erik Costa. Gabriela já conquistou títulos de campeã dos Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc) nas categorias 12 a 14 anos e também 15 a 17, além de medalha de bronze na etapa nacional de badminton em duplas. Erick também tem no currículo títulos de campeão dos Jesc 12 a 14 anos e também  15 a 17, assim como a medalha de bronze nos Jogos Escolares da Juventude.

Para o professor de Educação Física Anderson Andres, coordenador da Amob e do Projeto Badminton Joaçaba 2021, e pai de Letícia, o sucesso dos três atletas é o resultado de todo um trabalho desenvolvido com amor e paixão. “Conheci o badminton em 2010 por meio do meu sogro, o Edmar de Oliveira Pinto (ex-presidente da Fesporte, falecido em 2013) que era professor e coordenador do curso de Educação Física da Unoesc e levou a modalidade para a cidade. Dois anos depois passei em concurso público para a Superintendência Municipal de Esportes e percebi que o material de badminton não era usado. Como já era apaixonado pela modalidade comecei a desenvolvê-la com meus alunos”, lembra Andres. 

Hoje a Amob, que foi fundada em 2013, tem três núcleos de treinamento para crianças na faixa etária de 6 a 13 anos em Joaçaba, além do ginásio Edmar Oliveira Pinto: a Escola do Rotary e Centro Educacional Frei Bruno. Há ainda dois núcleos no município vizinho, Herval D’Oeste, apoiados pelo Fundo da Infância e Adolescência (Fia): no ginásio do bairro Santo Antônio e Colégio Estadual São José, com aulas proferidas pela professora Ana Paula.

Letícia Pinto Andres, 13 anos, cria do projeto: campeã brasileira sub-13 (Foto: Antonio Prado)

Nestes núcleos de treinamentos, que funcionam como escolinhas, há o espaço para os iniciantes – nas segundas e quartas-feiras – com duas horas de aulas, e também para os praticantes intermediários, estes as aulas são diárias. Com a pandemia a média é de 60 alunos atendidos dos 100 inscritos em todas as escolinhas.

A diminuição das aulas, no entanto, não diminuiu o entusiasmo de Anderson Andres. “O projeto transforma as crianças. Notamos, com nossa prática, que uma boa pedagogia esportiva causa entusiasmo. Aqui percebemos que logo no primeiro contato com o badminton a criança, com a raquete na mão, já se mostra capaz de rebater a peteca. E ao se sentir capaz há um envolvimento de imediato com a modalidade. E poder transformar vidas, por meio  do esporte, que promove inclusão social, é nossa grande responsabilidade como educador”. Em 2015 Andres foi eleito o melhor técnico do Prêmio Gustavo Kuerten de Excelência no Esporte recebendo a honraria das mãos do próprio Guga.

Para a ex-campeã dos Jesc, Gabriela de Oliveira, que participou do projeto no início de carreira, a ação social tem um significado mais que especial: “Para mim a Amob representa crescimento pessoal e profissional. Parte do que eu sou hoje devo ao projeto. Por meio dele pude competir em torneios nacionais, conheci pessoas e lugares incríveis, que jamais seria possível se não fosse o esporte. Além disso, consegui bolsa universitária para estudar e bolsa atleta para me manter no esporte. Enfim, tive uma experiência incrível com este projeto de badminton”. 

Texto: Antonio Prado

Ascom: Fesporte

 

Publicado em Geral
Escrito por

Fesporte elabora manual com orientações a repasses financeiros

A Fesporte, por intermédio de sua Gerência de Planejamento e Controle (Gepla), elaborou um manual para orientar, de forma didática, as entidades públicas (prefeituras e fundações de esporte) e entidades privadas sem fins econômicos (federações e associações esportivas) sobre o Cadastro de Proponente, apresentação da Proposta de Trabalho e seus respectivos documentos, e elaboração da Prestação de Contas de recursos financeiros para execução de objetos.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR OS MANUAIS

Para cadastrar uma Proposta de Transferência a instituição precisa ter cadastro ativo no Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal (Sigef). Caso a instituição não tenha cadastro ela deve seguir o manual explicativo com orientações no site SCtransferências, no item Manual do Proponente. O Cadastro de Proponente é único e deve ser feito apenas uma vez. Ressalta-se a importância de preencher, e manter atualizados, os dados cadastrais corretamente, principalmente o e-mail, pois será através deste que o proponente receberá todas as informações e orientações sobre a tramitação de sua proposta.

Validado o cadastro, o proponente estará apto a apresentar uma Proposta de Transferência no SIGEF. Porém, esse procedimento é precedido da criação e publicação de um edital, chamado de Programa de Transferência, que definirá as regras, critérios de seleção, valores, etc. Quando da construção de sua proposta, a entidade proponente precisa observar para que haja clareza e harmonia entre todos os campos preenchidos no sistema, conforme os detalhamentos apresentados no manual. Todas as propostas inseridas no SIGEF serão analisadas técnica e juridicamente, e somente terão sua aprovação final quando da manifestação do Presidente da Fesporte.

Recebido o recurso e executado o objeto proposto, chega uma etapa tão importante quanto a busca pelo recurso: a Prestação de Contas. Para isso, o manual visa auxiliar e trazer dicas sobre pontos a serem observados, forma de apresentação dos comprovantes, correta inserção dos dados no SIGEF, buscando sempre a adequada utilização dos recursos públicos.

O manual foi organizado tendo como referência o Decreto Estadual nº 127, de 30 de março de 2011, que estabelece normas relativas à transferência de recursos financeiros; a Lei Federal nº 13.019, de 31 de julho de 2014, que estabelece o regime jurídico das parcerias entre a administração pública e as organizações da sociedade civil; o Decreto Estadual nº 1.196 de 21 de junho de 2017, que Regulamenta a lei federal nº 13.019/2014 e a Instrução Normativa 14/2012 do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, que define os critérios para a organização da prestação de contas.

 

Publicado em Geral
Escrito por

Inscrições aos Jasc, Joguinhos, Olesc, Moleque e Jesc

Estão abertas as inscrições para a edição 2021 dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), Joguinhos Abertos de Santa Catarina, Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc), Campeonato Catarinense Escolar de Futebol – Moleque Bom de Bola, 11 a 14 anos, e 15 a 17 anos, e Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc), 12 a 14 anos.

Saiba os prazos e como realizar a inscrição para cada evento

Jasc

Prazo final: Dia 28 de julho

Link para inscrição: clique aqui

Informações: 48 3665-6155

Gerência de Esporte de Rendimento: E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Joguinhos Abertos

Prazo final: 21 de julho

Link para inscrição: clique aqui

Informações: 48 3665-6155

Gerência de Esporte de Rendimento: E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Olesc

Prazo final: 2 de julho

Link para inscrição: clique aqui

Informações: 48 3665-6155

Gerência de Esporte de Rendimento: E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Moleque

Prazo final: 14 de julho

A escola deve solicitar um link de acesso por meio do e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Maiores informações pelo fone:  (48) 3665-6135.

 

Jesc

Prazo final: 14 de julho

A escola deve solicitar um link de acesso por meio do e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Maiores informações pelo fone:  (48) 3665-6135.

Publicado em Geral
Escrito por

Reunião com instituições universitárias discute projetos da Fesporte

Discutir detalhes da implantação de dois projetos no Estado de Santa Catarina pela Fesporte: o Programa de Iniciação Desportiva (PID) e Mexa-se. Este foi o tema central de uma reunião virtual, nesta quarta-feira, 19, entre o presidente da Fesporte, Kelvin Soares, e representantes de instituições de ensino superior.

No encontro Kelvin falou dos objetivos dos dois programas. Os participantes elogiaram a iniciativa da Fesporte e se comprometeram em fazer parte de uma parceria com a instituição.

O PID pretende oferecer de forma gratuita esportes coletivos, individuais, de raquetes, dança e de lutas para um público-alvo de mais de 581 mil de crianças em diversos núcleos espalhados pelo Estado de Santa Catarina no contraturno escolar.

As ações esportivas serão desenvolvidas nas unidades de ensino estaduais ou espaços cedidos pelos municípios. Além das unidades de ensino superior o projeto terá a parceria, pelo governo, da Fesporte e Secretaria  Estadual de Educação. Municípios interessados também podem participar. 

Já o Mexa-se  tem como objetivo desenvolver e implementar um programa de atividade física e dança para adultos e idosos no Estado de Santa Catarina, com idade a partir de 45 anos, para prevenção e promoção da saúde no âmbito das políticas públicas. Dança, corrida, ginástica funcional serão as modalidades oferecidas gratuitamente  pelos projeto.

A parceria será entre Governo Estadual, por meio da Fesporte, instituições de ensino superior e Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc).

Os universitários das universidades parceiras receberão bolsas estudantis para ministrarem as aulas nos dois projetos, que serão executados em nove macrorregiões: Grande Oeste, Meio Oeste, Planalto Norte, Nordeste, Foz do Rio Itajaí, Vale do Itajaí, Grande Florianópolis, Serra Catarinense e macrorregião Sul.

 

Publicado em Geral
Escrito por

Projetos de Sucesso em SC: atletismo da UCA, de São José

Quem passa durante o dia pela Avenida Beira Mar de São José, altura do bairro Campinas,  durante o dia, deve ter se deparado com um grupo de pessoas uniformizadas com vestes vermelhas fazendo exercícios pela região, cuja camisas estão estampadas as iniciais U.C.A. Mas o que você talvez não saiba é que há muito mais por trás destes treinos.

UCA, na verdade, significa União Catarinense de Atletismo. O projeto promove diversas atividades que vão além do da prática  do atletismo,  como a realização de eventos paralímpicos, treinamento, reabilitação e acompanhamento dos paratletas, incentivando-os a participação em eventos culturais, esportivos, acadêmicos e sociais.

Essa diversividade das atividades da UCA produziu bons frutos e esta produção pode ser personificada por meio de dois nomes destaques dos 100 metros do atletismo brasileiro: Micaela Mello, 21 anos, campeã sul- americana no sub- 23, em 2018, na prova com barreiras, em Cuencas, no Equador; e Lucas Ferrari, 31 anos, paratleta olímpico. Ele participou dos 100 metros T-37  das Olimpíadas de Londres, em 2012, e já garantiu medalhas de prata nos Jogos Parapan-Americanos no México, em 2011, e na edição no Canadá, em 2015.

Micaela Mello figura entre as grandes revelações do atletismo brasileiro nos últimos anos nos 100 metros com barreiras. Sendo multicampeã das competições a Fesporte, ela treina forte visando conquistar o índice olímpico para participar das Olimpíadas em Tóquio, que inicia em julho deste ano.

Micaela e Lucas são crias da UCA, entidade sem fins lucrativos, criada em 2013, cujo objetivo é promover de forma gratuita a prática  do atletismo para crianças e jovens, incluindo projetos sociais, e  paratletas  com deficiências físicas, intelectuais, visuais e também os paralisados cerebrais e outras deficiências específicas. 

O professor de educação física, Anderson Chaves, atual coordenador da UCA, lembra que apesar das atividades começarem em 2011, por meio dos projetos Atletismo 10 e Projeto Correr Para o Futuro, a entidade só foi criada oficialmente em 20 de setembro de 2013, já com o nome UCA.

 

Micaela Mello, campeã sul-americana dos 100m com barreiras (Foto: Washington Alves/Exemplu

Naquela época, segundo ele, a idéia era criar uma equipe de atletas não filiados para participar de eventos estaduais, como os da Fesporte e da Federação Catarinense de Atletismo. O desejo era um antigo sonho de Anderson, um ex-atleta do atletismo.

E o sonho do professor saiu do papel e se tornou realidade e logo no primeiro ano de atividade, com o Atletismo 10, contou com a participação de 37 atletas. O projeto deu um salto de qualidade quando recebeu o apoio oficial da prefeitura por meio da Fundação Municipal de Esportes e Lazer de São José (Funesj),  Federação Catarinense de Atletismo e patrocínio da Bolsa Atleta, impulsionando ainda mais o esporte na região. 

Nos anos seguintes o número de atletas aumentou possibilitando conquistas para a equipe. Um exemplo foi à quebra do recorde absoluto de Santa Catarina na modalidade de revezamento 4x100m masculino, em 2018, no Troféu Brasil de Atletismo, com o tempo de 39s72, além de medalhas em campeonatos estaduais e também em competições como Olimpiada Estudantil Catarinense (Olesc) e Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc).

Apesar da vitória, os atletas adultos, do alto rendimento, não eram o único público que Anderson pretendia ajudar. Por isso, mesmo criando a UCA, o educador  manteve o embrião da entidade: o Projeto Correr Para o Futuro. “Nosso objetivo foi manter o incentivo à  crianças e adolescentes à prática de esportes e para isso firmamos parceria com Secretaria Municipal de Educação de Educação de São José e a Funesj e continuamos a atender estudantes das escolas públicas do município, na faixa etária de 7 a 14 anos, em diversos  pólos na região josefense”. 

Este ano o Correr Para o Futuro completa 10 anos de atividade, sendo oito deles dentro da estrutura organizacional da UCA. Segundo Anderson, uma das metas do projeto está sendo cumprida: incentivar a prática e popularizar o esporte na região da Grande Florianópolis, especialmente em São José. “Estamos orgulhosos de todo o trabalho feito. Das nossas conquistas e dos atletas que lançamos para todo o mundo”, destaca Chaves.

 

Faixa etária de 7 a 14 anos também é atendida com atletismo pelo projeto (Foto: Arquivo pessoal)

Mas, de acordo com o professor, as metas não param por aí, já que o objetivo é que em 2021 os atletas da UCA tenham  mais destaque em competições estaduais e internacionais. E para cumprir este objetivo o fundador da entidade lembra que houve algumas novidades nos treinamentos, sempre conduzidos por dois professores técnicos. O primeiro pas/COB)sso foi à subdivisão das provas com suas respectivas especialidades: saltos, velocidade e barreira; meio fundo e fundo; arremesso, lançamento e iniciação. 

A mudança surtiu efeito desejado. E uma prova disso é que já no primeiro semestre  de 2021 alguns atletas começaram a se destacar na marcha atlética , entre eles Emily Pistor, 27 anos, (prova de 20km) e Rudney Dias, 31 (nos 50km). A dupla foi recentemente convocada pela Seleção Brasileira para a Copa Pan-Americana de Marcha Atlética, em Guaiaquil, no Equador.

Outros dois atletas UCA foram convocados pela seleção brasileira para participarem  do Campeonato Sul-Americano de Atletismo, também em Guaiaquil dias 29 a 31 de maio : Guilherme Kurtz, 26 anos (1.500 metros) e Micaela Mello (100m com barreiras). 

Ainda no rol de destaques da União Catarinense de Atletismo constam as paratletas Camila Muller e Edilene Teixeira. Camila conquistou  duas medalhas de ouro e uma de prata nas provas de 200, 400 e 1500 metros  nos Jogos Paralímpicos Universitários  Brasileiros, em 2017, em São Paulo. Já Edilene Teixeira é atual líder do ranking sul-americano de maratona classe T11 e  segunda no ranking mundial. Ambas estão pré-convocadas para as Paralimpíadas em Tóquio, na modalidade de maratona de deficientes visuais. 

                                                   Lucas Ferrari, 31 anos, paratleta olímpico: cria da  UCA (Foto: divulgação)

O sucesso da UCA é explicado pela forma de sua atuação, pois o projeto promove diversas atividades que vão além da prática de esporte, como a realização de eventos paralímpicos, treinamento, reabilitação e acompanhamento dos paratletas, incentivando-os a participação em eventos culturais, esportivos, acadêmicos e sociais.

Enfim, o sucesso de Micaela, Emily, Camila, Edilene, Lucas, Rudney e Guilherme é uma prova de que a ideia do fundador da UCA, Anderson, de criar uma instituição para proporcionar atletismo de qualidade tinha fundamento. “Nosso projeto tem a proposta de melhora a vida de crianças, adolescentes e adultos por meio do esporte e com isso melhorar a saúde física e também mental de todos. Estamos proporcionando também a socialização, a melhora na autoestima, o senso de responsabilidade dos atletas. Ao mesmo tempo que prezamos pela qualidade de vida dos atletas, também pretendemos popularizar o atletismo na região e dar oportunidades para que mais pessoas possam se profissionalizar na área de esportes”, finaliza Anderson Chaves. 

 

 

 

 

Publicado em Geral
Escrito por

Calendário da Fesporte 2021 com novas datas

Com o objetivo de cumprir todas as regras sanitárias a Fesporte realinhou novas datas para as competições da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) Jogos Escolares de Santa Catarina (Jesc) 12 a 14 anos e Jogos Escolares Paredesportivos de Santa Catarina (Parajesc). 

Segundo a gerente de esporte de base e inclusão, Josélia Teixeira, a etapa estadual dos Jesc foi dividida em três blocos de competição em Timbó. O primeiro será realizado de 20 a 22 de agosto com modalidades individuais: ginástica rítmica, judô, caratê, natação e taekwondo.

O segundo será disputado de 27 a 29 de agosto com nova leva de modalidades individuais: atletismo, atletismo adaptado, badminton, ciclismo, tênis de mesa, vôlei de prais, xadrez e wrestling. 

Já o terceiro e último bloco da etapa estadual ocorre de 3 a 7 de setembro com as modalidades coletivas: futsal, basquete, handebol e vôlei. 

A ginástica artística da competição será no Sesi, de Blumenau, no período de 3 a 5 de setembro, e a natação, será em Indaial, município situado ao lado de Timbó.

Antes, no calendário anterior, as competições da etapa estadual começariam com as modalidade coletivas a partir de 24 de setembro. 

Parajesc

Com as mudanças de datas, as competições dos Parajesc sofreram alterações para que não houvesse choque de datas com as etapas regionais dos Jesc.

Assim a etapa estadual dos Parajesc será realizada agora de 23 a 26 de setembro, também em Timbó. Antes a competição estava prevista para agosto.

Na Olesc a mudança foi em um novo prazo final para inscrições de atletas e o envio do termo de compromisso para Fesporte. Antes este prazo se encerrava em junho, agora será no dia 2 de julho.

Segundo Luciano Heck, gerente de esporte de rendimento, o novo prazo atende um pedido de dirigentes municipais. “Muitos municípios só agora estão começando as atividades esportivas. Outros estão contratando professores, por isso estendemos o prazo de inscrição para que os municípios tivessem mais tempo nesta logística”.

As datas da etapa estadual da Olesc não mudam. As competições das modalidades individuas  serão de 13 a 15 de outubro e as coletivas de 16 20. Ambas em Curitibanos. 

Clique aqui e confira o calendário completo atualizado.

Pagina 6 de 62